quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Brasil confirma compra de 36 novos caças para a FAB.


Finalmente, Brasil compra da Suécia 36 novos caças (aviões Gripen, SAAB) para Força Aérea Brasileira. Valor do contrato: US$ 5,4 bilhões, com transferência de tecnologia.

A compra dos aviões Gripen foi um excelente negócio para o Brasil, pois, são mais econômicos do que o francês Rafale e o americano F/A - 18. A aquisição dos caças suecos Gripen permitirá a indústria brasileira acesso real a tecnologia envolvida na fabricação dos aviões. A Força Aérea Brasileira sai fortalecida com a aquisição dos caças Gripen, pois, terá também acesso estratégico a códigos de fonte.

A indústria gaúcha pode se beneficiar com a compra dos caças Gripen fazendo parcerias com a . Governo Sartori deve dar atenção ao tema. 

Aroldo Medina


terça-feira, 28 de outubro de 2014

Fim da greve no Banrisul.


Funcionários do Banco do Estado do Rio Grande do Sul decidiram ontem, em assembleia geral, realizada em Porto Alegre, por fim a greve que durava há 28 dias. Mil e vinte e três trabalhadores compareceram no ato deliberativo. 587 funcionários votaram pelo fim da greve e 428 queriam manter a paralisação. O Banrisul tem onze mil funcionários.

Agências do interior já estavam trabalhando. Agências da capital e região metropolitana funcionavam parcialmente. A abertura total das agências foi determinada por funcionários que já estavam trabalhando e perceberam que o seu não comparecimento nas assembleias da categoria, estavam legitimando a manutenção da greve. Este fato, associado ao desconforto de prejudicar a imagem do banco junto aos seus clientes, motivou a participação destes funcionários na assembléia que encerrou o movimento grevista.

Um dos principais motivos da greve é a ausência de um plano de carreira para os funcionários. Um escriturário que entra hoje no Banrisul tem o mesmo salário que um escriturário de 20 anos de carreira, por exemplo. Os funcionários almejam um adicional por tempo de serviço.

Em conversa com amigos do Banrisul hoje, perguntei ainda o que esperavam de José Ivo Sartori? Foram unanimes em dizer que confiavam no novo governador eleito, para defender o banco dos gaúchos contra qualquer movimento de privatização, normalmente defendida por capitalistas interessados em por as mãos num banco bem estruturado que só tem dado grandes lucros ao RS, nos últimos anos. Elogiaram, espontaneamente, a gestão de Fernando Lemos.

Sou, particularmente, contra a privatização do Banrisul, da Caixa Econômica Federal e do Banco do Brasil, por razões óbvias. Conduzidos por seu corpo técnico de funcionários de carreira, com independência administrativa, costumam dar excelentes resultados financeiros e oferecem sempre, menores taxas de juros, na concessão de créditos pessoais e financiamentos para automóveis, imóveis e outros empreendimentos empresariais, urbanos e rurais, além de serem patrimônios consolidados da nação brasileira.

Aroldo Medina

domingo, 5 de outubro de 2014

Amor de mãe é tudo de bom mesmo.


Momento de felicidade plena. Levei minha mãe para votar. Ela foi bem feliz. Emocionei-me quando ela digitou meu número na urna e logo que apareceu a foto, orou pedindo a Deus por mim.
Se for da vontade de Deus ser vitorioso neste pleito, ouro nenhum do mundo será capaz de abalar minha convicção de servir a sociedade brasileira, com 100% de integridade e absoluto respeito a confiança dos meus eleitores.
Força e honra! Muita saúde e paz. Forte e fraterno abraço a todos! 

Aroldo



quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Último debate presidencial na Rede Globo.

Continuo 100% Marina Silva. Lamento, veementemente, a campanha de baixo nível impetrada contra a Marina, depois do seu crescimento expressivo, após a morte lamentável de Eduardo Campos. 

Creio que todos os ataques dirigidos a candidata são motivados por interesses torpes. Para mim, Marina não é mais uma simples causa. Marina é o Brasil. Força e honra, com imprensa livre, sem censura, sempre!
 — com Wambert Gomes Di Lorenzo I.

Aroldo Medina


quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Boas lembranças da campanha de 2014.

Começam com minha mãe, bem lúcida me encorajando nesta caminhada dificílima, onde os amigos, parentes e até pessoas que encontrei pela primeira vez, não deixaram-me esmorecer, abastecendo meu coração com palavras de incentivo e esperança. 

Deus esteja sempre entre todos nós. Fraterno abraço!

Aroldo