quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

Fundatec deve anular questões polêmicas no concurso da Brigada Militar.

A FUNDATEC (Fundação Universidade Empresa de Tecnologia e Ciências), contratada pelo Governo do
Estado do RS, no final de 2017, para fazer o concurso da Brigada Militar, em andamento, visando o preenchimento de vagas na carreira de nível médio da Corporação Policial Militar gaúcha, deve anular as questões que geraram polêmica, em função do seu conteúdo de promoção pessoal e propaganda de política de governo.

Caso opte, a Fundatec, por caminho diverso do deferimento de recursos e reconhecimento do grave erro que foi a inclusão de questões que feriram princípios básicos da administração pública, principalmente da imparcialidade e da moralidade, citando autoridades governamentais e ações de governo, com cunho propagandista, vai perder feio para os candidatos que irão ingressar na Justiça, pedindo a anulação destas questões.

Uma instituição que destaca ter ISO 9001, deveria ter tido muito mais cuidado com o conteúdo explorado nas questões de conhecimentos gerais. Na questão 44, por exemplo, no conjunto do seu enunciado e assertivas é flagrante a propaganda político eleitoral, em benefício do PMDB e do senhor Cezar Schirmer, atual secretário de segurança pública do Estado do RS. É vergonhoso utilizar um concurso público para este tipo de promoção. Esta questão bate de frente com a impessoalidade que deve caracterizar um processo de caráter público e, ainda fere a moralidade, ao se ignorar esse princípio, camuflando numa questão, propaganda política subliminar.

E, a questão 44 não é um "fato isolado" nesta prova. A questão 43 representa outra propaganda deliberada do Governo do PMDB, ao formular um texto que enaltece como uma "revolução" na área de segurança pública do RS, a resposta do governo, a morte de Cristine Fonseca fagundes, em 25 de agosto de 2016. E segue, nas respostas enaltecendo uma "ação imediata" do governo, anunciando um comitê presidido pelo vice-governador, José Paulo Cairoli que tem seu nome reforçado como substituto do secretário demissionário Wantuir Jacini. E, para fechar com "chave de ouro", a questão 43 nomina numa das respostas o governador José Ivo Sartori (O Salvador) que vai a Brasília pedir a intervenção do Exército, para garantir a ordem e a segurança no RS (grifo meu).


Então precisa do Exército para garantir a ordem no RS? Se todo o enunciado da questão 43, casado com a próxima questão, a 44, não é propaganda politica escrachada do governo, do governador, do seu vice e do secretário, então eu vou contratar uma professora de português para me dar novas aulas de interpretação de texto.

Não podia faltar na prova, a reforma da previdência. Previdência que os auditores fiscais da receita federal e uma comissão do Senado disseram que não é deficitária. Bem, voltam a falar no PMDB, na questão 47, citando o glorioso peemedebista Michel Temer que trata de colocar em pauta as reformas para GARANTIR A SOBREVIVÊNCIA DO PAÍS, sem deixar de dizer que o Temer assumiu após o impeachment da dona Dilma, etcetera e tal.

Se esta questão 47 não é outra propaganda política partidária disfarçada, garanto que abdico da honrosa função de instrutor de História, Comunicação Oral e Escrita, Direitos Humanos e Correspondência Militar que sempre exerci nestas disciplinas curriculares da BM, em incontáveis cursos de formação de soldados, sargentos e oficiais da BM, ao longo dos meus 30 anos na Corporação.

A questão 48 é outra pérola. Poderiam ter feito o enunciado, citando qualquer outro ministro mais antigo do STF, até o famoso Gilmar Mendes. Tinham que focar, justamente, Alexandre de Moraes, amigão do presidente Michel Temer, do PMDB, recentemente nomeado e que de acordo com as respostas é o cara que substitui, o insubstituível Teori Zavaski e, passa a ser o relator da Lava Jato. E, de novo, para deixar bem claro na cabeça do candidato, citam o Xandinho, como o Comandante do Ministério da Justiça e, de lambuja ainda citam o nome da presidentA morta. Morta politicamente, no impeachment. Querem mais? Tanto assunto para ser explorado em conhecimentos gerais e vai e volta, PMDB na propaganda velada.

Por fim, concito a FUNDATEC  a ser razoável, na apreciação dos recursos dos moços e moças que se inscreveram nesse concurso, sonhando em serem bons policiais e bombeiros militares. Não teime FUNDATEC nos mesmos argumentos da sua nota oficial. Dê o braço a torcer, anule essas questões super hiper polêmicas, com cunho de propaganda político partidária e ideológica, mesmo que vocês morram afirmando que não.

Sabemos que o espectro das "Forças Ocultas" do tio Brizola, podem ter se manifestado na elaboração dessas questões. Também sabemos que os fantasmas nunca irão aparecer e morreremos abraçados, ouvindo empolados dizerem que os técnicos contratados foram imparciais e que não tem nenhuma filiação ou simpatia partidária, nem tiveram nenhum contato com representantes do governo, para receber qualquer espécie de dica.

Se optarem por caminho diverso da anulação administrativa de mais ou menos umas cinco questões que causaram turbulência grave no vôo dos candidatos, o time da Fundatec vai perder de 7 a 1 no Judiciário.

Aroldo Medina



P.S. A Fundatec deve também resolver = ANULAR, o imbróglio criado por algum de seus iluminados que determinou a alguns fiscais orientarem, em diferentes salas de aula, dezenas de candidatos a deixarem em branco a questão 24, porque estaria errada.

Alea jacta est.


Segue a prova intelectual da Fundatec, na íntegra, aplicada no concurso da Brigada Militar, cedida por um candidato.


Adicionar legenda






















































O gabarito oficial da prova, divulgado pela FUNDATEC:

1) A; 2) B; 3) D; 4) E; 5)C; 6) E; 7) D; 8) C; 9) A; 10) B; 11) A; 12) E; 13) E; 14) C; 15) A; 16) B; 17) B; 18) E; 19) C; 20) D; 21) A; 22) C; 23) E; 24) B; 25) A; 26) B; 27) D; 28) C; 29) E; 30) B; 31) C; 32) A; 33) B; 34) A; 35) E; 36) C; 37) B; 38) B; 39) E; 40) E; 41) B; 42) B; 43) C; 44) E; 45) D; 46) E; 47) A; 48) D; 49) C; 50) C

Concurso da Brigada Militar 2017.


Prezados amigos e amigas que fizeram o exame intelectual no concurso, em andamento, para ingresso na Brigada Militar, organizado pela Fundatec; em atenção as perguntas que estou recebendo, via Whatssap, de candidatos, sobre as questões que podem ser anuladas, vou elaborar um artigo sobre a questão e, postarei aqui, mais tarde. Cordial abraço a todos.

Aroldo Medina


quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Nilva de Wallau Medina: 82 primaveras.

Minha mãe, Nilva de Wallau Medina, esta de aniversário, hoje. Esta fazendo 82 anos. Sou 100% grato a Deus pela mãe que Ele me deu. Ela, ao lado do meu pai, Ivo Medina (1928-1988), de saudosa memória, sempre foram meus heróis de verdade.
Retrato da mãe. 1952.
O maior Poder deles e, de todo bom pai e de toda boa mãe, presentes, sem infalibilidade, esta no amor com que ungem os filhos e, na educação com que moldam o caráter das crianças que geram.
Pai do Céu e mestre Jesus, abençoem minha mãe e, aproveitem, abençoem ainda todas as outras mães. Deem-lhes vida longa e próspera, com muita saúde e paz. E, inspirem o coração de todos os filhos a honrarem e respeitarem os seus pais, amando-os muito, enquanto ainda estão neste plano terreno.

Aroldo Medina

Essa guria adora um mate.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

O que se leva da vida é o que fazemos pelos outros.

Recorte do jornal Correio do Povo.
Não era minha hora... Deus estava comigo. Sempre esta. Ele e o Filho, o mestre Jesus.

Reorganizando papéis e livros na minha casa, encontrei esse recorte de jornal. Minha mente viajou no tempo, instantaneamente.
Patrulhávamos Porto Alegre quando ouvimos pelo rádio da viatura, o chamado de nossa central de comunicação, sobre um roubo em andamento. O motorista olhou para mim e eu acenei com a cabeça, sem lhe dizer nada. Em poucos segundos a viatura voava, com a sirene aberta, acompanhada por outras viaturas das PATRES (Patrulhas Táticas Especiais) do Batalhão de Polícia de Choque da Brigada Militar.
Chegamos rápido no local. Fomos recebidos a bala. Um dos criminosos caiu ferido. O outro correu. Fomos atrás dele. Perdemos ele de vista, por alguns instantes. Desconfiei que havia entrado numa farmácia, onde entrei, cautelosamente, encontrando o ladrão usando a balconista como escudo e, apontando um revólver engatilhado, para a cabeça dela.
Sem hesitar, mentalizei o mestre Jesus e lhe pedi em pensamento que se havia chegado a minha hora e eu fosse merecedor, me acolhesse em sua morada, nos próximos instantes.
O bandido estava dentro de um banheiro. Abri o tambor do meu revolver e o descarreguei, entregando minha arma para o sargento Rogerio Suman, mostrando-me para o criminoso. Ele fez o que eu esperava. Tirou a arma da cabeça da sua refém e apontou para a minha, dizendo que ia me matar. Pedi para falar antes de morrer e, o bandido consentiu. Mandei que olhasse para fora da farmácia. Desviando o olhar de mim, ele viu um brigadiano do GATE apontando um fuzil para ele. Jogou-se para trás, entrando, estupefato, para o fundo do banheiro.
Com olhos grandes e esbugalhados me perguntou por que eu havia feito aquilo, lhe advertir que estava sob a mira de um fuzil, prestes a ser abatido. Expliquei que estava ali para salvar vidas, inclusive a dele. O desfecho da história esta na reportagem.
Aroldo Medina


segunda-feira, 30 de outubro de 2017

Luciano Huck presidente.

Luciano Huck!? Prefiro o Ronald Reagan. Será que não se enganaram na pesquisa e não seria o Hulk? Porque ele traria junto, outros Super H.


Iotti e a politica em 2018.

Gosto muito das charges do Iotti. As sacadas dele são 10. Esta então, acertou em cheio numa visão que compartilho com ele. Muitos podem até não compreender a provocação do desenho ou até mesmo discordar, por não ter o hábito de refletir sobre estas contradições no comportamento do eleitor.

Esta charge é uma síntese extraordinária do resultado final das eleições no Brasil, nos últimos 30 anos. Talvez mais. O Iotti subiu na estratosfera e rabiscou uma foto ampla do caráter das eleições brasileiras.

Eu vejo no desenho, irmãos gêmeos. Somos livres para interpretar a figura, felizmente. Democracia é democracia. Doa a quem doer. Certamente haverá quem pense que o bonequinho na charge é o mesmo, em momentos  diferentes. Aí o bicho pega. O cara é bipolar ou é totalmente sem caráter. Até podemos aduzir que existem eleitores assim. Espero que sejam uma minoria. Por isso, prefiro pensar em irmãos gêmeos.

O bonequinho de camiseta amarela representa bem eleitores da classe média que fazem propaganda e compartilhamentos para anular o voto, votar em branco e, agora, a última moda, se abster de votar. A multa é pequena, em torno de R$ 3,50. Sim, três reais e cinquenta centavos. Para muitos parece ser melhor aproveitar o "feriado" da eleição, para passear, afinal de contas os políticos não merecem o voto que pedem. Crápulas, sem vergonha. Há quem diga até que na eleição de 2018 teremos recordes em abstenções. Então vamos merecer mesmo, o que vier das urnas.

O outro eleitor na charge, o de camisetinha branca, o que negocia o seu voto, vota no rato. A moeda de troca é vasta, nessa negociação. Varia de dinheiro vivo até uma lista quase infinita, nesse histórico balcão da eleição, onde esse eleitor, aproveita a oportunidade para pedir ao seu candidato e, pasmem, normalmente ganha mesmo: material de construção, cestas básicas, dentaduras, óculos, par de calçados, conserto do carro, corte de cabelo, roupas, botijão de gás, pagamento da conta de água, luz, telefone, cartão de crédito, festa de aniversário, despesas de funeral, churrascada, cervejada, cachaçada, etc. Vou parar por aqui, porque a lista é longa. Entenderam porque aqueles caras investigados na Lava Jato precisam de tanto dinheiro?

Assim temos, de um lado o eleitor "mais esclarecido", de camiseta amarela, com melhor grau de instrução que fica bravo se a gente disser que é analfabeto político e que vai ficar indignado comigo, ao ler esta desditosa crônica. Aquele que adere a campanhas para anular o voto, votar em branco ou se abstém de votar. O mesmo que embarca na canoa furada do argumento daquelas correntes que dizem que se todo mundo anular o voto ou votar em branco, vai ter nova eleição, com outros candidatos.

Do outro lado, vamos encontrar o eleitor da periferia, cuja renda não se enquadra na classe média, o que aceita negociar. Talvez até o trabalhador desempregado. O que decide a eleição votando no rato que compra votos. Não é a toa que a renovação das vagas nas câmaras e assembleias, raramente ultrapassa a casa dos 20%. Dois terços dos candidatos são reconduzidos aos cargos.

Então torcemos a cara e vamos continuar reclamando dos políticos aproveitadores dessa cultura que o Iotti sintetizou num único desenho, assistindo no sofá da sala, os mesmos sendo reeleitos, perdendo a maior chance que temos de mudar tudo o que achamos errado, votando no dia da eleição, escolhendo um candidato que reflita o caráter de honestidade e capacidade para o trabalho, de milhares de bons brasileiros.

Aroldo Medina


terça-feira, 17 de outubro de 2017

Segurança Pública de Canoas.

Werner Spieweck, presidente do Consepro Canoas, Valdeci Antunes dos Santos, tenente-coronel Comandante do 15º BPM e Aroldo Medina, tenente-coronel RR da BM, fizeram uma reunião almoço, hoje, no Canoas Park Hotel, unindo forças pela segurança pública de Canoas.

O foco principal da conversa foi o estabelecimento de meta, para melhorar a infra-estrutura da Primeira Companhia do 15º BPM, com sede no populoso bairro Mathias Velho, em Canoas.