quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Diário de Classe


Tenho solicitado aos alunos soldados do 9º BPM que façam uma redação, ao final de quase todas as aulas. Alguns jovens reclamam em tem que escrever tanto. Explico que é para o bem da própria turma. A redação estimula o raciocínio dos alunos. Permite que conheçam sua própria capacidade de escrever, óbvio.

Alerto que depois de formados serão chamados para atender ocorrências policiais onde terão que escrever boletins, contando histórias do que aconteceu, baseado no testemunho das pessoas. Fora da sala de aula, não raras vezes, escreverão suas narrativas em condições adversas, sob calor intenso ou mesmo frio, sol e chuva, sob tensão, onde exercitarão o auto controle que lhes foi ensinado através de instrução militar.

A redação, explico, também serve para conhecer a letra do aluno. A caligrafia parece que está sendo abandonada. A letra de forma, escrita a mão, é coisa rara. As moças costumam ter letras melhores, mais caprichadas. Devem passar esses cuidados com a forma, aos meninos.

As redações também serviram para conhecer um pouco da história de vida de cada aluno. Sugeri que escrevessem suas histórias pessoais. Na correção lingüistica dos trabalhos fui surpreendido e presenteado com belíssimas histórias de vida. Exemplo de bons brasileiros, muitos passaram por uma maratona de sacrifícios pessoais e familiares até chegarem nesse estágio de seu desenvolvimento pessoal e profissional. Essas histórias dão um livro de peso. Aliás tenho dormido com essa idéia na cabeça. Peço a Deus que me abençoe nesse objetivo. Editar a vida desses alunos e oferecer esta obra para o povo brasileiro.

Alea jacta est!

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Natal


Antes de pensar no Papai Noel neste Natal, desejo a todos os meus familiares e amigos que lembremos antes de nosso senhor Jesus: o aniversariante. Aquele a quem devemos toas as honras e proclamação de glória nesta data querida que emana tanta luz espiritual, nessa abençoada época do ano.

Feliz Natal a todos e, um Ano Novo que possamos desfrutar com muita saúde, paz e prosperidade. Deus abençoe nosso planeta, com sabedoria e fraternidade, todos os que creem no Mundo Espiritual e possa tocar e despertar a consciência daqueles que ainda são infiéis.

Um grande abraço fraterno a todos, ao lado do meu agradecimento as pessoas que nos visitam neste espaço e ainda incentivam a manutenção deste blog. Que possamos ser vitoriosos em 2010, elegendo homens e mulheres verdadeiramente do bem e dedicados a causa pública com honestidade.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Soldados do 9 BPM


Orgulha-me muito, mesmo, ministrar aulas de história da BM, para 120 novos alunos soldados em formação no 9º BPM. São jovens moços e moças vindos do interior de nosso RS, cheios de esperanças e espectativas com a nova profissão que abraçaram. Espero que estejamos todos mobilizados para corresponder aos anseios de jovens brasileiros que transbordam qualidades pessoais.

Os projetos do Governo do RS para a BM

O "Pacote do Governo" causa apreensão e divisão dentro da BM. O aumento da contribuição previdenciária proposto para os militares de 7 para 11 por cento não é justo, pois, a Brigada está entre as Polícias Militares com menor remuneração, entre os Estados da Federação.

Igualmente, foi vilania governamental "atrelar" o aumento da contribuição previdenciária, com a proposta de estender os 19,9 % da Lei Britto, pago do soldado ao capitão da BM, igualmente aos oficiais superiores da corporação.

Desde o princípio, os aumentos deveriam ter sido pagos no mesmo percentual, do soldado ao coronel da BM. O histórico "escalonamento vertical", outrora vigente na corporação, que estabelecia todos os salários da Brigada, uma porcentagem do salário do coronel, comprovou ser a forma mais justa de remuneração.

Mímicos na Esquina Democrática


Ontem retornava para casa, por volta das 18:00 horas, no Centro de Porto Alegre, mergulhado naquele rio de gente da Rua dos Andradas, esquina com a Borges de Medeiros. Três jovens me chamaram a atenção. Em meio aquela corrente agitada de pessoas, os três moços se destacavam. Vestidos com simplicidade, camiseta de algodão, calça jeans e tênis, sem qualquer caracterização, senão as próprias caras marcadas de determinação, faziam mímica em coro. Nenhuma palavra, somente expressão corporal. Formavam um trio que acendia saudosa lembrança dos "Três Patetas".

A multidão passava por eles indiferente, tão absortos deviam estar com a cabeça nas compras do Natal. Alguns olhavam com curiosidade o trio biruta. Outros miravam o grupo com uma cara que dava para traduzir até de olhos fechados: - "O que estes malucos estão querendo?" Tive a pretensão de responder a essa pergunta em pensamento. Ora estão tentando nos divertir! Tentam nos dar de presente um pouco de bom humor. E eles eram engraçados e criativos. Suas mímicas tinham personalidade. Improvisavam cenas atuando com pessoas que passavam ao "largo", fugindo dos malucos. Abraçavam placas, postes, a "pedra do coronel Mendes", chamavam a atenção em latas de lixo, brincaram com os "arautos" que portavam aqueles indefectíveis "pirulitos" de propaganda que riam a toa com as palhaçadas dos patetas gaúchos e chegaram até a simular com um cavalete de sinalização de trânsito, a largada de atletas olimpicos.

Do alto de uma pequena torre de vigilância da BM instalada na esquina democrática, eram observados pelo PM de serviço. O policial, constatando que eram artistas, voltou a sua faina de olhar a multidão que passava a sua frente. O calor era tórrido. A temperatura escaldante e o suor que brilhava no rosto dos palhaços, não esmorecia a vontade que tinham de levar graça de graça, a vida das pessoas que por ali passavam.

Foram caminhando, caminhando e desapareceram nadando como golfinhos naquela onda de seres humanos que marchavam como um exército que ia para vários lugares ao mesmo tempo. Parado, na esquina, eu via a silueta dos Três Patetas Gaúchos desaparecerem na multidão. Ficou na minha memória a generosidade do grupo e sua coragem de encenar no meio de um palco da vida real, onde embora existissem milhares na platéia, poucos lhes prestavam a devida atenção.

Que Deus se compadeça da alma desses artistas de rua, lhes conceda vida longa, muita saúde e paz.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Confrontos em Brasília DF



Causou surpresa e apreensão saber que alguns Policiais Militares do DF, concentraram-se em frente a residência oficial do governador José Roberto Arruda, para manifestar seu apoio ao chefe do executivo flagrado recebendo massos de dinheiro, durante campanha eleitoral em 2006, em circunstâncias muito suspeitas.

Certamente, esta não é a posição da Polícia Militar do Distrito Federal, a mais bem paga do Brasil, uma instituição de credibilidade nacional pelo seu preparo profissional e idoneidade. A PMDF deve mostar isenção no episódio, manter a ordem pública com equilíbrio, respeitando a democracia.

O governador deve ser expulso do Democratas, caso não se antecipe e tome alguma iniciativa por conta própria.

Dia Nacional do Palhaço



Uma "coincidência", no mínimo, inusitada, o Dia Nacional do Palhaço, ser comemorado no Brasil, no dia seguinte ao Dia Mundial de Combate à Corrupção, transcorrido ontem.

Outro aspecto histórico interessante é refletir que a proposta de comemorar o Dia Mundial de Combate à Corrupção, aprovado pela ONU, não foi uma idéia finlandesa -país com menor índice de corrupção no planeta - foi uma idéia brasileira.

Casualmente, abrimos os jornais, ontem e hoje, no Brasil e nos deparamos com fartas notícias de corrupção, em todos os lados. Lendo a poesia escrita em homenagem aos palhaços de profissão, abaixo transcrita, senti vergonha de me sentir um palhaço, como muitos brasileiros se sentem, toda vez que somos enganados. Um sentimento pejorativo que deturpa o significado da vida honrada e a obra original dos verdadeiros palhaços.

A esses trabalhadores da alegria, semeadores do riso, com semblantes tristes e melancólicos, minha sincera homenagem.

Meu irmão, Adroaldo, colabora nesta postagem com texto escaneado de um recorte de revista que tinha guardado e, minha filha Natália sugere um vídeo do You Tube.

VÍDEO

"Eu quero explicar a vocês, o que é ser um palhaço. O que é ser o que eu sou. E fazer isso o que eu faço, ser palhaço é saber distribuir alegria e bom humor. E com esforço contentar o público espectador. Muita gente diz “palhaço” quando quer xingar alguém. E esse nome pronunciam com escárnio e desdém. E ao ouvir esta palavra, outros sentem até pavor. Como se palhaço fosse criatura inferior. Mas de uma coisa fiquem certos, para ser um bom palhaço, é preciso alma forte e também nervos de aço. E além de tudo é preciso ter um grande coração para sentir isso o que eu sinto. Grande amor à profissão. O Palhaço também tem suas noites de vigília, pois lá na sua barraca, ele tem a sua família. Palhaço, meus amigos, não é nenhum repelente. Palhaço não é bicho. Palhaço também é gente. Falo isso em meu nome e em nome de outros palhaços que muitas vezes trabalham com a alma em pedaços. Ser palhaço é saber disfarçar a própria dor. É saber sempre esconder que também é sofredor. Porque se o palhaço está sofrendo, ninguém deve perceber, pois, o palhaço nem tem o direito de sofrer".

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Dia Mundial de Combate à Corrupção - ONU

Abrimos os jornais hoje no Brasil, do Norte ao Sul e do Leste ao Oeste, e nos deparamos com fartas notícias falando da corrupção em nosso país. A personagem do dia está em alta. Passeia soberba nas passarelas políticas, impávida, desfila no bolso dos seus filhos desonestos.

O dia proclamado pela ONU no mundo todo é uma idéia brasileira. Tudo a ver! A iniciativa verde amarela lembra uma máxima de caserna: "moral de cueca". Aduz também a um antigo dito popular: "Façam o que eu digo. Não façam aquilo que eu faço".

Neste contexto esdrúxulo, serve de alento, os estrangeiros que nos visitam dizerem que o que de melhor tem o Brasil, são os brasileiros. Só precisamos aprender a votar agora. Quem sabe nas próximas eleições!

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Reunião de Turma - Aspirantes 1988 BM


Membros da Turma de Aspirantes 1988 da BM reunem-se a partir desta sexta-feira, até o próximo domingo, dia 06 de dezembro, no Hotel Continental, em Canela (RS). O lugar é muito agradável, a paisagem é encantadora, o clima nessa época do ano é refrescante e a infra-estrutura do hotel oferece aos seus hóspedes muito conforto.

Na pauta do encontro de confraternização e lazer, onde estarei presente, além do divertimento e do descanço merecido, o ambiente motiva conversas familiares e profissionais. O corpo e a mente colhem as boas energias da Serra Gaúcha, os aspirantes fortalecem laços de amizade, revivem memórias de caserna, constroem novas lembranças e ao final do encontro devem voltar revigorados aos afezeres de nosso corpo policial centenário. Aroldo.

O hotel Continental

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Aulas de história da BM


Uma atividade que me traz grande realização profissional é dar aulas na Brigada Militar. Já perdi a conta de quantas turmas colaborei na formação, em meus quase 25 anos de serviço ativo na Brigada. Hoje iniciei mais um novo ciclo de instrução. Passei a dar aulas de História da BM para três turmas, em formação no 9º Batalhão de Polícia Militar. São 120 alunos. Cada turma de 40 alunos terá 20 horas aula de história da corporação que este ano completou 172 anos de existência.

Tive ótima impressão dos alunos, em meu primeiro dia de aula. A maioria de famílias do interior do Estado. Estão ávidos de conhecimento. Transpiram juventude e saúde. Uns mais tímidos e outros mais extrovertidos, vem imbuídos de vontade de trabalhar. Constituem uma matéria prima humana boa de formar como paladinos da lei e da ordem. A sociedade clama por eles. Precisam ser reconhecidos e valorizados, permanentemente, com políticas de Estado, contínuas, voltadas a todos trabalhadores da área de segurança pública.

São bem vindos! Alunos sempre me remetem a idéia de oxigênio.

Sítio da Família Lima



Vida de policial militar não é fácil. Tem características de um sacerdócio. Exige, não raras vezes, muita abnegação e sacrifícios. Renúncia material é constante. Compensa e recompensa, principalmente, quando salvamos vidas.

Em meio ao turbilhão de atividades profissionais, ocorrem pausas para descanso. Um desses "stops" ficará guardado em nossas boas lembranças de caserna. Dia desses, por iniciativa do tenente-coronel Hermito Bortoluzzi, Chefe do Centro de Intendência da BM, fomos passar o dia, no Sítio da Família Lima, em Dois Irmãos. O lugar fica há 60 km de Porto Alegre, no eixo da BR-116. Caminhamos, tomamos banho no rio e saboreamos um ótimo churrasco com saladas. O espírito saiu revigorado.

O lugar é lindo, limpo e bem cuidado. Excelente para confraternizar entre colegas, amigos e familiares. Uma autêntica reserva ecológica. É um parque de lazer bem organizado, divertido, em meio a mata nativa, um rio maravilhoso, água limpa, com expressivas corredeiras e cachoeiras naturais. A higiene mental, o descanso, a paz e a harmonia é garantida, especialmente durante a semana. Nos finais de semana, normalmente, lota. Também funciona como camping. O ingresso custa R$ 10,00(dez reais), por pessoa e a diária no camping é R$ 12,00 (doze reais). O lazer proporcionado, vale cada real. Recomendo! Quem for, não pode esquecer a "máquina digital". O parque proporciona ótimas imagens, para guardar no álbum de família.

Parabéns à Família Lima e aos administradores do lugar.

Aroldo Medina.

Mapa do Tesouro Natural