quarta-feira, 24 de abril de 2013

Próximo do PMDB-RS

Câmara Municipal de Canoas, início da noite de hoje. Fui convidado para participar de festividade de comemoração alusiva aos 47 anos do PMDB, transcorrido dia 24/03/2013.

O plenário estava lotado. Durante o discurso do deputado estadual Edson Brum fui surpreendido por um convite público. O presidente do PMDB-RS anunciou: "- Coronel Medina! Em nome do PMDB do RS quero lhe convidar, a se filiar no nosso partido. Queremos o senhor, definitivamente, ao nosso lado".

Na sequência, o governador Germano Rigotto, homenageado na cerimônia, junto com o vereador canoense, César Mossini, ratificou o convite, lembrando aos presentes que em 2002 fui o primeiro candidato a governador, a anunciar meu apoio incondicional ao PMDB, no segundo turno da eleição que consagrou Rigotto, governador.

O vereador Ivo Lech, na tribuna, puxou: "Vem Medina! Vem Medina"! Seguido em coro, por outros peemedebistas presentes no plenário.

Meu coração se encheu de responsabilidade e meus pensamentos pousaram nas lembranças do meu pai e da minha mãe, ainda baixada na UTI do Hospital Independência, em Porto Alegre, como os grandes responsáveis pela educação, estudo e caráter que elevam-me no conceito dos nobres líderes do PMDB do RS. Uma felicidade que compartilho, humildemente, com meus amigos e amigas neste espaço especial.


Aroldo Medina

Encontro Progressista

Convidado pelo coronel Sergio Sparta, presidente do PRP-RS, visitamos o amigo Celso Bernardi, presidente do PP-RS, hoje pela manhã, na sede do Partido Progressista, na Praça da Matriz, no centro de Porto Alegre.

O foco da conversa foi a eleição para o governo do Estado do RS, em 2014. A senadora Ana Amélia Lemos é candidatíssima. Outros candidatos de grande envergadura, fortes como a senadora foram lembrados: o candidato do PMDB que deverá definir entre José Ivo Sartori e Germano Rigotto e o governador Tarso Genro.

Aroldo Medina

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Brigada forma novos bombeiros


Foi hoje, à tarde, em Novo Hamburgo (RS), nos pavilhões da FENAC, a formatura dos novos soldados da BM que atuarão no Vale do Rio dos Sinos. São duas centenas de jovens moços e moças, brilhantes, com muito idealismo no coração.

No final da formatura, os novos soldados bombeiros da BM, tiveram seu "batismo de água"...

Felizes da vida, agitavam-se como a correnteza dos rios que descem das montanhas. Despediram-se do tempo de alunos "pagando" uma "última flexão" e depois terminaram pulando feito crianças!

Deus os ilumine e guarde, ao lado de todos os nobres soldados da Brigada Militar.





Major Aroldo Medina


Novos soldados da Brigada Militar


Desejo muitas felicidades aos formandos das diversas turmas de novos soldados da BM que hoje passam a pronto, no Curso Básico de Formação Policial e de Bombeiro Militar, em todo Estado do RS.

São jovens brasileiros que merecem nosso mais absoluto respeito, consideração e valorização pelo idealismo que carregam em seus corações. São oxigênio puro nos pulmões da Brigada.

Parabéns! Nobres soldados e a todos os seus familiares pela conquista. Perfilo-me ao lado dos irmãos e irmãs, cumprimentando a todos com garbosa e sincera continência. Vida longa, com muita saúde e paz. 


Sinto-me honrado em ter sido instrutor de História da BM, Comunicação Oral e Escrita e Direitos Humanos de várias turmas.

Deus, nosso Senhor Jesus e sua Corte Celestial estejam sempre ao lado de todos, na honrada profissão de proteger e salvar vidas.


Aroldo Medina














quinta-feira, 4 de abril de 2013

Minha mãe

Minha jornada começou hoje de manhã no Hospital de Pronto Socorro de Canoas, onde minha mãe, Nilva de Wallau Medina foi internada ontem, após insuficiência respiratória grave e terminou no Hospital Independência, para onde foi transferida no final da tarde.

No setor de internação, enquanto fazia o cadastro, a atendente me perguntou qual a profissão da minha mãe? "- Do lar. Criação e educação dos filhos". Respondi. A recepcionista me olhou e sorriu. Um colega dela, prontamente completou: "- É uma profissão muito importante". Concordei, respondendo com outro sorriso.

Enquanto respondia o questionário, minha mãe era conduzida a UTI, pelos para-médicos da SAMU, na maca da ambulância que a trouxe. Os minutos passaram rapidamente. Um moço vem e avisa que um médico na UTI, deseja falar comigo. Subo até o terceiro andar, impressionado com a infra-estrutura do Hospital Independência. Ambiente controlado, muito limpo, organizado, bem mobiliado e equipado. Uma placa na parede esclarece a origem do que vejo: "Rede de Saúde Divina Providência. 100% SUS. Porto Alegre, 28 de setembro de 2012."

O Hospital Independência após falir por má gestão foi fechado, reformado com recursos da União e da Prefeitura de Porto Alegre, encampado pelo SUS e reaberto sob administração da Rede de Saúde Divina Providência. Nunca em minha vida, senti tanta satisfação em ver onde foram muito bem investidos os impostos que paguei junto com milhões de brasileiros. Parabéns aos gestores de tão importante obra!

Aroldo Medina

O transporte na ambulância

Enquanto aguardava, pacientemente, junto a sala de emergência do HPSC, os preparativos da transferência de minha mãe, do Pronto Socorro de Canoas para o Hospital Independência, me fazia companhia, o livro "Reportagens que fizeram história", RBS publicações, edição 2009, obra comemorativa dos 45 anos do jornal Zero Hora. Sempre que prenuncio esperas mais longas, cato um livro de minha estante, em casa.

Quando estava na página 112 fui chamado pela equipe da ambulância da SAMU, placa 5128. "- Tudo pronto, major. O senhor pode nos acompanhar". Disse o jovem para-médico. Segui o moço, passando por dentro da sala de emergência, lotada, onde minha mãe era assistida e movimentada por 4 pessoas e logo a seguir, acomodada dentro da ambulância.

"- Tudo pronto! Pode seguir". Disse o paramédico confiante no seu trabalho, ao motorista do veículo de emergência que iniciou o seu deslocamento. Sentado no banco da frente, no lugar do carona, meu coração disparou quando a sirene da ambulância foi acionada. Mais uma vez recorri a Deus, a Jesus e sua Corte Celestial pedindo que nos abençoassem com um caminho aberto, livre de obstáculos.

O motorista era experiente, conduzia a ambulância com segurança e consciente das manobras desviando de outros veículos que lhe davam passagem, ao ouvir a sirene berrando. Os motoristas respeitam as ambulâncias. Em todo trajeto presenciei solidariedade. Num transito caótico, mortífero em acidentes, senti orgulho de ver tantos motoristas abrindo passagem.  Já os pedestres precisam de mais educação.

No trajeto, não foram poucos os pedestres que prejudicaram o avanço prioritário da ambulância. Na avenida Assis Brasil, por exemplo, o sinal estava verde para as pessoas que atravessavam na faixa de segurança. A pista da esquerda livre, o motorista da ambulância, pressentindo que não teria a gentileza dos passantes, foi diminuindo a marcha até parar. Uma mulher, com uma criança no colo, pareceu diminuir o passo e encarar o motorista da ambulância, esquadrinhando-o com um olhar de quem insinua que a faixa é dela. O motorista, muito disciplinado, chegou a balbuciar um "- Que barbaridade!"

Chegamos sãos e salvos no Hospital Independência! Agradeci a Deus por termos chegado em segurança e minha mãe com vida.

Aroldo Medina

Primeiras horas

Meu telefone celular tocou e eu acordei 10 horas da manhã. Sem dor. Ontem fiz uma cirurgia bucal de implantação de alguns dentes que me faltavam. No outro lado da linha, a assistente social do HPS Canoas conversou comigo. 11 horas eu estava no hospital junto com meu irmão Adroaldo.

Sentados, junto a sala de emergência lotada do HPS Canoas, esperamos para poder ver nossa mãe, internada com insuficiência respiratória e infecção pulmonar. Meu irmão se dirigiu a uma funcionária do hospital que permitiu a entrada de um de nós, na sala de emergência. Encontrei minha mãe inconsciente, deitada em seu leito, entubada, ligada a vários aparelhos. Coloquei uma mão sobre sua testa e com a outra peguei uma de suas mãos.

Passei a orar com devoção. Pedi a Deus que estivesse ali entre nós, com ela e os outros enfermos. Pedi a Jesus que a perdoasse de seus pecados e lembrasse de tudo de bom que ela havia feito pelos seus filhos, pelo meu pai e pelos pais dela. Minha mãe cuidou especialmente de todos nós quando estávamos enfermos, sempre com muito amor e dedicação. Roguei a Jesus que permitisse a suas cortes celestiais e seus anjos que estivessem ali para zelar pela saúde de todos os doentes. Pedi que Jesus autorizasse as falanges de Dom Inácio de Loyola que operam no Centro Espírita João de Deus, em Abadiânia (GO), operar minha mãe. Pedi a Deus que abençoasse e iluminasse todos os médicos, enfermeiros, técnicos e funcionários do HPS Canoas. Finalizei pedindo misericórdia e dizendo que fosse feita a vontade do Pai e não a minha.

Uma médica se aproximou de mim e me amparou com seu olhar. Convidou-me para conversar. Saímos da sala e ao lado de meu irmão ouvimos seu relato, sobre a saúde de minha mãe. Comovido pela sinceridade e profissionalismo da médica lhe agradeci, comovido, pelo seu trabalho e de seus colegas. Saí da sala confortado e esperançoso. Fui para casa.

O telefone tocou novamente. Uma médica do HPSC me informou que haviam conseguido um leito para minha mãe, na UTI do Hospital Independência e pediam minha autorização e presença no HPS Canoas para fazer sua transferência. Barbeei-me, troquei de roupa e me dirigi ao hospital, para uma nova jornada.

Aroldo Medina