segunda-feira, 31 de agosto de 2009

Venda de farda PM sem controle

Fardas da Polícia Militar são vendidas sem controle

Com a chamada do link exibido acima, o Fantástico da Rede Globo exibiu no seu programa de domingo, dia 30 de agosto, a facilidade em comprar uniformes da Brigada Militar, no RS e também da Polícia Militar, em SC. No RJ a farda PM pode ser encomendada pela Internet. Em SP a compra é controlada.

O repórter gaúcho Giovani Grizotti, mostrou a vulnerabilidade no comércio de uniformes policiais militares no Brasil, por amostragem.

Temos agora uma corrida contra o tempo para bloquear as investidas que os agentes do crime irão empreender para comprar suas fardas, antes que a porta escancarada pela reportagem se feche. Não precisarão mais roubar uniformes militares em varais domésticos, como tínhamos notícia quando isto ocorria. Basta ir a uma loja que comercializa os artigos, com dinheiro vivo na mão e sair bem fardado do local.

Creio ainda num efeito colateral da reportagem: aumenta a margem de desconfiança das pessoas que passam a duvidar da autenticidade de verdadeiros policiais. O fenômeno já existe. Por exemplo: policiais verdadeiros são constrangidos em portas de agências bancárias ao terem seu acesso simplesmente negado por estarem fardados e, as vezes armados. O argumento do vigilante, cumprindo ordens do banco ou mesmo da empresa para a qual trabalha, é que o sujeito fardado, barrado na porta, pode estar usando uma "farda roubada" e esta ali para praticar um assalto. O policial verdadeiro é tratado como "suspeito de ser um criminoso". É humilhado na porta giratória do banco. E ninguém se importa com isso. Alegam que é apenas um "dissabor" do policial. Ser humilhado e tratado como um possível criminoso é apenas um dissabor.

O que muitos não estão a perceber é que isto gera uma crise de autoridade, pois a autoridade não é reconhecida e posta em dúvida. Esta atitude é um grave sintoma de anarquia. Estou falando de autoridade, não de arbitrariedade ou qualquer coisa semelhante.

Imagine um pai sem autoridade com o filho. Isto existe e não é pouco. E os professores então sem autoridade em sala de aula. Uma queixa flagrante dos educadores que dizem que os alunos estão quase incontroláveis no universo escolar. Pensemos nas conseqüências de uma crise generalizada de autoridade. Na verdade, já estamos caminhando nessa estrada. Vou parar por aqui porque os exemplos são infinitos.

Termino referindo a última frase da reportagem do Fantástico: “Se nós falarmos dos países desenvolvidos, é praticamente impossível que um cidadão comum compre uma roupa de uso exclusivo de polícia ou de Forças Armadas”.

Não imagino policial nos países desenvolvidos sendo barrado numa porta de banco simplesmente por estar uniformizado ou portando arma. E experimente ignorar a ordem de um policial em um país desenvolvido.

Minha resposta a tudo isso é:

EDUCAÇÃO! EDUCAÇÃO BRASIL!

MAIS INVESTIMENTOS NA EDUCAÇÃO NO BRASIL!

Até lá, pobres de todos nós!

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

O velho assunto da unificação policial no Brasil



ZH publicou dia 25 de agosto, próximo passado, dia do soldado, página 42, um estudo apresentado como pesquisa onde maioria dos policiais entrevistados diz preferir polícia civil e militar unificadas. A leitura da matéria é fundamental. O assunto não é novo. Deve nos levar a uma reflexão sobre os verdadeiros motivos que estão nas entrelinhas da pesquisa apoiada pela atual gestão do Ministério da Justiça. O óbvio: desmilitarização.

Marcos Rolim, citado cinco vezes na reportagem, é apontado como um dos três pesquisadores responsáveis pelo estudo. Os outros pesquisadores não são mencionados na matéria. O delegado Carlos Wagner, diretor da ACADEPOL e o comandante da Brigada, coronel João Carlos Trindade são referidos uma vez.

Fato muito lamentável: a pesquisa diz que 65% dos entrevistados fariam "vistas grossas" a colegas corruptos. Imagina sem a disciplina militar então! A pesquisa ainda confunde exercícios de maneabilidade com tortura. (AM)

Link para reportagem ZERO HORA

terça-feira, 25 de agosto de 2009

Dia do Soldado



Na data do nascimento de Luis Alves de Lima e Silva, cumprimento a todos os soldados brasileiros do mar, da terra e do ar, do soldado mais moderno ao general mais antigo, pelo transcurso deste dia em que prestamos reverência a todos aqueles que guardam pela nossa soberania nacional, a segurança pública interna e cuidam do mais valioso neste vasto território: o povo brasileiro. Igualmente reverenciamos a memória dos que já partiram para outra dimensão de vida. Saúde e paz a todos, nesta terra. Deus nos ilumine sempre, nos abençoe e proteja!

segunda-feira, 24 de agosto de 2009

Boas lembranças






A delegação árabe muçulmana partiu no dia 17 de agosto, no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre. Os líderes árabes não pouparam elogios à hospitalidade dos gaúchos que os recepcionaram durante sua estadia no RS. Deixaram entre nós uma ótima impressão também. Ficaram de voltar, em breve. A intenção de fazer negócios com o Estado do Rio Grande do Sul ficou muito clara.

Querem comprar cereais e carne de qualidade tipo exportação e, podem até construir um novo frigorífico no RS, seguindo o modelo islâmico de abate. A implantação desse projeto depende dos incentivos a serem oferecidos pelos governos do Estado e do município onde o frigorífico for instalado.

Senti muita objetividade nas suas intenções. Cabe a nós agora fazermos a nossa parte com a mesma clareza de intenções e ações, controle de qualidade e caráter.

Memória da visita dos investidores árabes ao RS




Na reunião dos investidores árabes com a FARSUL convidei o Jornal do Comércio para estar presente. A editoria de agronegócios do jornal fez um excelente trabalho. Aroldo Medina.

sexta-feira, 21 de agosto de 2009

Bandeira do RS emociona árabes na Farsul

video

Durante o encontro na FARSUL (Federação da Agricultura do Estado do RS), com a comitiva de investidores dos países árabes, nesta semana que passou, senti-me no dever de demonstrar a hospitalidade gaúcha e nosso sentimento de verdadeira amizade com os visitantes da longínqua Ásia e norte da África.

Não encontrei melhor forma de dizer que somos um povo que acolhe todos os povos de braços abertos, do que presentear com uma bandeira do Estado do Rio Grande do Sul, os líderes que nos visitavam.

Não podia imaginar que a gentileza causasse emoção tão forte nos árabes, quanto causa em muitos de nós quando ouvimos os hinos de nossa pátria. Vi olhos árabes marejados e braços que se abriram procurando as mãos e os braços dos gaúchos que lhes davam autenticas e sinceras boas vindas ao nosso chão.

Levarei em meu coração para sempre esta lembrança de integração entre povos. Os árabes muçulmanos são tão gaúchos quanto nós, nos sentimentos de hospitalidade que carregam em seus corações.

Que Deus nos ilumine e abençoe nessa união que desejamos seja frutífera e duradoura, para o bem estar de milhares de famílias. Aroldo Medina.

Farsul e países árabes




Segunda-feira, dia 17 de agosto de 2009, às 11 horas da manhã, levei a delegação de investidores de países árabes até a sede da FARSUL, em Porto Alegre. Após assistir em Canoas, palestras dos investidores árabes, num seminário de integração cultural e econômica, realizado na Câmara de Vereadores de Canoas, no auditório da Secretaria Municipal da Cultura e no Canoas Parque hotel, dias 13 e 14 de agosto, percebi a importância de viabilizar um encontro entre os líderes árabes muçulmanos e os dirigentes da FARSUL (Federação da Agricultura do Estado do RS).

Carlos Rivaci Sperotto, presidente da FARSUL foi super acessível. Marcou o encontro de imediato. A reunião iniciou um processo de integração econômica e cultural entre os atores presentes. Os árabes muçulmanos foram muito objetivos: querem fazer negócio com os gaúchos depois de ouvir o presidente da FARSUL e assistir um documentário sobre a organização da Federação da Agricultura. Chamou-lhes a atenção o interesse que perceberam da Prefeitura de Canoas e dos dirigentes da FARSUL. Querem comprar de nós cereais e carne.

Entre os grãos preferidos está o milho, o trigo e a soja. Manifestaram interesse também em nossa carne e podem até construir um novo frigorífico no Estado do RS. Segundo os líderes árabes, Canoas tem a preferência pela determinação do prefeito Jairo Jorge e sua equipe, em trazer o investimento para a cidade.

Após a reunião administrativa, a FARSUL ofereceu um almoço à delegação árabe, marcado pela hospitalidade gaúcha, excelente qualidade da comida servida e o congraçamento entre os participantes.

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Arab Countries and the Rio Grande do Sul





Salam aleicun!

Yesterday and today, I participated in a seminar in Canoas, where I hear leaders of the international Islamic community. I was impressed with their culture and knowledge. This morning, staying in an upholstered chair, stowed in a large room in the Canoas Park Hotel, next to other people in our community and citizens of Arab Muslim visitors had one of the best lessons of citizenship and education for my spiritual life.

Not a thought as high culture. A lecture given by the President of the Islamic Bank Makaseb, Mr Ahmed El Helw, overcame all the lessons learned from the readings of the books of Arab literature that my father gave me in my adolescence. Among those books that most marked in my memory was "The Man that calculates" of Malba Tahan, codename of Júlio César de Mello e Souza.

Ahmed El Helw the UAE has presented aspects of the economic culture of Islam. God is first. The economic system of Islam observes three basic guidelines in its business that in three short words: faith, development and investment. The leader emphasized that his bank does not endorse anything that does harm to individuals, such as production of alcoholic beverages and tobacco industry. Summarized saying: "- The more we help, the more God helps us too."

In the Islamic system is not charging interest. Yes, that's right, its banks do not charge interest those seeking financing for their projects. The bank analyzes, carefully, noting the project and its viability, borrow the money, without interest. A shock to us all that we are accustomed to high interest rates in Brazil, even today our National Monetary Council has been more complacent about our economy and continue the trend of lowering interest rates in the country at around 9% per year, currently.

And even then, the Brazilian private banks still operating with an average interest rate of 5% per month and the credit card companies still in the range of 10 to 15% per month. Anything with zero interest for Islamic banks.

The leader of Makaseb explained that the Islamic culture values the development of this without charging interest. Muslims believe that a financial institution must not be selfish and exploit those who want the bank to finance projects responsible. Maintain a monetary policy where the profit should not be the main requirement of a business, but the welfare and development that will generate business for the person, the bank and society. Financial speculation is not permitted and ethics is present in the negotiations. Also spoke in ZAKAT: tax the charity. All pay 2.5% on their business. The tax is designed in full, the social works.

Ahmed made clear the requirements that the Arab countries meet to make new investments in Brazil. Reported that the Gulf press today, investment in energy and agriculture. Established a roadmap for countries interested in receiving their investment if qualify.

Translate the steps being taken by the parties as follows: there must be a pilot project, describing the venture, the second step is that the state offers tax incentives and even the ground for installation of the business in clear and legally secure. The Arabs do not like contracts or contracts between the traps. Translation mine. They want insurance contracts entered into a legal system and legal to ensure compliance with the agreements. Alias, I think nobody likes to be wrong. One last step is the government publicly declare the land as an area of business investment and provide certificates guaranteeing investments. The set of integrated actions will form a center of mass of investment in Arab countries. Rapporteur: major Aroldo Medina.

Países Árabes e o RS - 2º dia visita



Salam aleicun!

Ontem e hoje, participei de um seminário em Canoas, onde pude ouvir líderes da comunidade islâmica internacional. Fiquei impressionado com a sua cultura e conhecimento. Hoje pela manhã, acomodado em uma cadeira estofada, arrumada numa grande sala do Canoas Parque Hotel, ao lado de outras pessoas de nossa comunidade e de cidadãos árabes muçulmanos visitantes tive uma das melhores aulas de cidadania e educação espiritual de minha vida.

Não imaginava uma cultura tão elevada. A palestra proferida pelo presidente do Banco Islâmico Makaseb, senhor Ahmed El Helw, superou todos os ensinamentos colhidos nas leituras dos livros de literatura árabe que meu pai me deu, em minha adolescência. Entre estes livros aquele que mais marcou em minha memória foi “O Homem que Calculava” de Malba Tahan, codinome de Júlio César de Mello e Souza.

Ahmed El Helw dos Emirados Árabes nos apresentou aspectos da cultura econômica do Islã. Deus está em primeiro lugar. O Sistema econômico do Islã observa três diretrizes básicas em seus negócios que resumo em três palavras: fé, desenvolvimento e investimento. O dirigente destacou que seu banco não patrocina nada que faça mal ao indivíduo, como por exemplo, produção de bebidas alcoólicas e indústria do tabaco. Resumiu dizendo: “- Quanto mais nos ajudamos, mais Deus nos ajuda também”.

No sistema islâmico é proibido cobrar juros. Sim, isso mesmo, seus bancos não cobram juros daqueles que buscam financiamento para os seus projetos. O banco analisa, criteriosamente, o projeto e constatando sua viabilidade, empresta o dinheiro, sem juros. Um choque para todos nós que estamos acostumados com juros altos no Brasil, mesmo que atualmente nosso Conselho Monetário Nacional tenha sido mais complacente com nossa economia e prossiga na tendência de baixar a taxa de juros no país, na casa dos 9% ao ano, atualmente.

E mesmo assim, os bancos privados brasileiros continuam operando com uma taxa de juros média de 5% ao mês e as administradoras de cartões de crédito ainda na faixa de 10 à 15 % ao mês. Nada parecido com juro zero dos bancos islâmicos.

O líder do Makaseb explicou que a cultura islâmica preza pelo desenvolvimento sem cobrar juros por isso. Entendem os muçulmanos que uma instituição financeira não deve ser egoísta e explorar aqueles que procuram o banco para financiar projetos responsáveis. Defendem uma política monetária onde o lucro não deve ser o principal requisito de um negócio e sim o bem estar e o desenvolvimento que o empreendimento vai gerar para a pessoa, o banco e a sociedade. Não é permitida especulação financeira e a ética está presente nas negociações. Falou ainda no ZAKAT: imposto da caridade. Todos pagam 2,5% sobre seus negócios. O imposto é destinado, integralmente, a obras sociais.

Ahmed deixou bem claro os requisitos que os países árabes observam para fazer novos investimentos no Brasil. Informou que os países do Golfo primam hoje, por investimentos na área de energia e agricultura. Definiu um roteiro para os países interessados em receber seus investimentos se habilitarem.

Traduzi as etapas a serem percorridas pelos interessados, da seguinte maneira: deve existir um projeto piloto que descreva o empreendimento; o segundo passo é que o Estado ofereça incentivos fiscais e até mesmo o terreno para instalação do negócio de forma juridicamente clara e segura. Os árabes não gostam de entrelinhas nos contratos ou contratos com armadilhas. Tradução minha. Querem contratos seguros inseridos num sistema legal e jurídico que garanta cumprimento dos acordos. Alias, acho que ninguém gosta de ser enganado. Um último passo é o governo declarar publicamente o terreno do empreendimento como uma área de investimento, fornecendo certificados que garantam os investimentos. O conjunto dessas ações integradas irá formar um centro de investimentos em massa dos países árabes. Relatoria: major Aroldo Medina.

Na foto, estou ao lado de Bassyouny Said, sheickh árabe.

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Arab Countries in Canoas



A delegation of Arab countries arrived yesterday to RS, to begin an assessment of potential for our state to receive investments of Arab and Muslim community. The script began to work this morning, the plenary of the City of Canoas, in a seminar organized by the Municipality of Canoas, opened by Alderman Metalúrgico Nelsinho (PT), President of the Legislative Council.

The Arab leaders and Muslims present stressed the hospitality of the Brazilian people, the harmony and peaceful coexistence among peoples of different ethnic groups living in Brazil and religious tolerance existing here. Expressed regarding the Christian faith and praise the prophet Mohammed in his speech, asking his blessings on us.

The seminar was continued in the afternoon, at the headquarters of the Municipal Department of Culture, where the mayor Jairo Jorge (PT) delivered lecture presenting the profile of visitors to the city of Canoas. Jairo Jorge was a prepared host, talking familiarly, demonstrated ability in public speaking that captivated members of the entourage, being interrupted by applause several times. After the mayor, talks Mr Eduardo Sampaio, director of the Department of Promotion of Agribusiness of the Ministry of Agriculture, relevant aspects of the Brazilian economy applied to your folder.

Ahmed El Helw, Chairman of Makaseb Bank, largest private bank of the United Arab Emirates, based in Dubai, was direct in his speech. Histories that the Arab countries has its main base of business in Brazil, located in São Paulo state, currently. Said real interest in expanding these businesses in the RS and ensured that the reception that felt in Canoas, puts the city on edge.

Ahmed El Helw showed that Arab countries could invest in the RS, which has provided tax incentives set by local governments for the establishment of enterprises and Arab Muslims. Defined steps that are important to cities and the State to qualify for these investments, the existence of pilot projects, available credits (incentives) and that the place to house the venture must be "an investment", this qualification awarded by authority.

The delegation formed by representatives of Saudi Arabia, UAE, Bahren, Egypt, Lebanon and Libya was still composed by you, Imran Mhomed, Master in political science and international relations, Sheickh Khaled Taky Eldin, representing the Federation of Muslim Associations of Brazil , Moumtez Hashem El Orra, commercial director of General Mattresses, established in São Paulo, Mohammad Azzazzy, representative of the Islamic organization Haramein al Sharafeini, responsible for administration of the holy mosques in Medina and Makki, Khaled El Deen Taleq, theologian, Alli Ahmad Majdoub, Muslim leader of the educational area in Brazil, Abdulhakim Alzubaidi, representative of the Emirates Group, and Daniela Ayala Anwar, cultural assistants.

Another point of convergence, beyond the discourse of integration of peoples, there was the Palestinian issue. PT's present leaders, supported the establishment of the State of Palestine, a position also taken in a peaceful way by the Arab and Muslim visitors.

The work continues tomorrow in Canoas Park Hotel, from nine o'clock in the morning, with a round of talks with entrepreneurs in the metropolitan region and Vale dos Sinos.
In the photo, MHOMED Imran, Master in political science and international relations, PhD Islamic University of Medina (Saudi Arabia) lecture on the customs of his people.

Photo: City of disclosure Canoas, Ireno Garden.

Países Árabes em Canoas



Uma delegação de países árabes chegou ontem ao RS, para iniciar uma avaliação das potencialidades de nosso Estado para receber investimentos da comunidade árabe e muçulmana. O roteiro de trabalho começou hoje pela manhã, no plenário da Câmara Municipal de Canoas, com um seminário organizado pela Prefeitura de Canoas, aberto pelo vereador Nelsinho Metalúrgico (PT), presidente do Legislativo Municipal.

Os líderes árabes e muçulmanos presentes destacaram a hospitalidade do povo brasileiro, a convivência harmônica e pacífica entre os povos de diversas etnias que habitam o Brasil e a tolerância religiosa aqui existente. Expressaram seu respeito a fé cristã e enalteceram o profeta Maomé em sua fala, pedindo suas bençãos sobre nós.

O seminário teve prosseguimento à tarde, na sede da Secretaria Municipal da Cultura, onde o prefeito Jairo Jorge (PT) proferiu palestra apresentando o perfil da cidade de Canoas aos visitantes. Jairo Jorge mostrou-se um anfitrião preparado, falando de improviso, demonstrou habilidade na oratória que cativou os integrantes da comitiva, sendo interrompido por aplausos várias vezes. Após o prefeito, palestrou o senhor Eduardo Sampaio, diretor do Departamento de Promoção do Agronegócio do Ministério da Agricultura, versando sobre aspectos da economia brasileira aplicada a sua pasta.

Ahmed El Helw, presidente do Banco Makaseb, maior banco privado dos Emirados Árabes, com sede em Dubai, foi direto em sua fala. Historiou que os países árabes tem sua principal base de negócios no Brasil, instalada no Estado de São Paulo, atualmente. Afirmou concreto interesse na expansão destes negócios no RS e garantiu que a receptividade que sentiu em Canoas, coloca o município em vantagem.

Revelou Ahmed El Helw que os países árabes poderão investir no RS, desde que hajam incentivos fiscais definidos pelos governos locais, para o estabelecimento dos empreendimentos árabes e muçulmanos. Definiu que são passos importantes para as cidades e o próprio Estado se habilitarem a esses investimentos, a existência de projetos pilotos, créditos disponíveis (incentivos) e que o local destinado a abrigar o empreendimento deve ser "um lugar de investimento", qualificação esta atribuída pelo poder público.

A delegação formada por representantes da Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Bahren, Egito, Líbano e Líbia era ainda composta pelos senhores, Imran Mhomed, mestre em ciência política e relações internacionais, Sheickh Khaled Taky Eldin, representante da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil, Moumtez Hachem El Orra, diretor comercial da General Colchões, estabelecido em São Paulo, Mohammad Azzazzy, representante da organização islâmica Haramein al Sharafeini, responsável pela administração das mesquitas sagradas de Medina e Makka, Khaled Taleq El Deen, teólogo, Alli Ahmad Majdoub, dirigente da área educacional muçulmana no Brasil, Abdulhakim Alzubaidi, representante do Grupo Emirates, Daniela e Ayala Anwar, assistentes culturais.

Outro ponto de convergência, além das falas de integração dos povos, houve com a questão palestina. Líderes do PT presentes, defenderam a criação do Estado da Palestina, posição, igualmente, assumida de forma pacífica pelos árabes e muçulmanos visitantes.

Os trabalhos prosseguem amanhã, no Canoas Parque Hotel, a partir das nove horas da manhã, com uma rodada de conversações com empresários da Região Metropolitana e Vale dos Sinos.

Na foto, dirigente do Banco Islâmico MAKASEB, com sede em Dubai, Emirados Árabes, senhor AHMED EL HELW, expõe critérios de investimento da comunidade árabe e muçulmana, no Brasil.

Foto: divulgação Prefeitura Municipal de Canoas, Ireno Jardim.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

General Heleno e a presidência do Brasil

video

Movimento propõe pré-candidatura do General Heleno

Selecionei este vídeo no YouTube, para possibilitar aos visitantes de nosso Blog, uma referência sobre o brasileiro Augusto Heleno, um general ativo do Exército Brasileiro que demonstra ser uma pessoa de muita coragem, capacidade profissional, integridade e amor à pátria. Tem perfil e conhecimento para ser pré-candidato à presidência do Brasil, em minha opinião, em 2010, sob censura dos visitantes deste Blog, sempre muito bem vindos neste espaço cultural.

Temos no rodapé deste Blog, duas pesquisas em andamento. Uma delas colhe a opinião dos leitores desta página sobre a sucessão presidencial.

Fonte do Vídeo

terça-feira, 11 de agosto de 2009

MEMÓRIA DA CRISE POLÍTICA NO RS




Jornal ZERO HORA organiza memória da crise política no RS.

ARQUIVO ZH

Texto integral da ação do MPF vai parar na Internet. Arquivo disponível em PDF, no site do Clic RBS.

Rui Barbosa



Em meio ao caos político que estamos vivendo no RS e no Senado da República é sempre bom lembrar de alguns brasileiros que servem de modelo a vida nacional. Rui Barbosa é um deles. Sua biografia, a seguir resumida é uma progressão geométrica inversa a grandeza do seu caráter, produção intelectual e política.

O Brasil precisa destinar, urgentemente, seu maior orçamento à educação. Os professores precisam ser resgatados dos baixos salários que recebem, para figurar entre os trabalhadores mais bem pagos entre as classes trabalhadoras.

Rui Barbosa de Oliveira, político e jurisconsulto, nasceu em Salvador, Bahia, em 5 de novembro de 1849. Bacharelou-se em 1870 pela Faculdade de Direito de São Paulo. No início da carreira na Bahia, engajou-se numa campanha em defesa das eleições diretas e da abolição da escravatura.

Foi político relevante na República Velha, ganhando projeção internacional durante a Conferência da Paz em Haia (1907), defendendo com brilho a teoria brasileira de igualdade entre as nações. Eleito deputado provincial e, adiante geral, atuou na elaboração da reforma eleitoral, na reforma do ensino, emancipação dos escravos, no apoio ao federalismo e na nova Constituição.

Por divergências políticas, seu programa de reformas eleitorais que elaborou, mal pode ser iniciado, em 1891. Em 1916, designado pelo então presidente Venceslau Brás, representou o Brasil no centenário de independência da Argentina, discursando na Faculdade de Direito de Buenos Aires sobre o conceito jurídico de neutralidade. O discurso causaria a ruptura definitiva das relações do Brasil com a Alemanha. Apesar disso, recusaria, três anos depois, o convite para chefiar a delegação brasileira à Conferência de Paz em Versalhes.

Com seu enorme prestígio, Rui Barbosa candidatou-se duas vezes ao cargo de Presidente da República, nas eleições de 1910, contra Hermes da Fonseca e 1919, contra Epitácio Pessoa. Foi derrotado em ambas.

Como jornalista escreveu para diversos jornais, principalmente para A Imprensa, Jornal do Brasil e o Diário de Notícias, jornal o qual presidia. Sua extensa bibliografia recolhida em mais de 100 volumes, reúne artigos, discursos, conferências e questões políticas de toda uma vida.

Sócio fundador da Academia Brasileira de Letras sucedeu a Machado de Assis na presidência da casa. Sua vasta biblioteca, com mais de 50.000 títulos pertence à Fundação Casa de Rui Barbosa, localizada em sua própria antiga residência no Rio de Janeiro. Rui Barbosa faleceu em Petrópolis, no Rio de Janeiro, em 1923.

Transcrevo um pequeno extrato de seus discursos:

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto".

Rui Barbosa, Senado Federal, RJ, 1914.

- "Dilatai a fraternidade cristã e chegareis das afeições individuais às solidariedades coletivas, da família à nação, da nação à humanidade".

- "Eu não troco a justiça pela soberba. Eu não deixo o direito pela força. Eu não esqueço a fraternidade pela tolerância. Eu não substituo a fé pela superstição, a realidade pelo ídolo".

- "Maior que a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado!"

- "O escritor curto em idéias e fatos será, naturalmente, um autor de idéias curtas. Assim como de um sujeito de escasso miolo na cachola ou de uma cabeça de coco velado, não se poderá esperar senão breves análises e chochas tolices".

- "Toda a capacidade dos nossos estadistas se esvai na intriga, na astúcia, na cabala, na vingança, na inveja, na condescendência com o abuso, na salvação das aparências, no desleixo do futuro".

- "Um povo cuja fé se petrificou, é um povo cuja liberdade se perdeu".

Fonte da pesquisa

segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Que país é esse?

Coréia do Norte!? ... Ou será Brasil?!

Sacada da Revista Época desta semana. Vale a pena comprar.


Em cartaz: O Beco dos Valentões.


Renan Calheiros a Tasso Jereissati:

"- Coronel de merda, seu merda! Você é minoria com complexo de maioria"...


Tasso Jereissati a Renan Calheiros:

"- Cangaceiro. Cangaceiro de terceira categoria"...


Arthur Virgílio, em resposta a Sarney:

"Não quero ser grosseiro e dizer que Vossa Excelência faltou com a verdade"... Que educado! (Nota do Blog).

TRAILER DO FILME

Terá 2ª parte?

Moral: "Não estamos sós, na desgraça."

RS em tela nacional



A conceituada Revista Época, edição 586, nas bancas a partir de hoje, resume e apresenta, para todo o Brasil, o quadro atual da política gaúcha.

Com tudo isso, como deve estar nossa imagem perante o resto do Brasil?

O que estará por dentro das mentes dos políticos daqui? E das nossas?

O que diria Leonel Brizola sobre tudo isso?

E nós? O que temos a dizer?

Reportagem de Época, páginas 46, 47, 48 e 49




domingo, 9 de agosto de 2009

Pai



"Uma brisa no meio da tempestade..."

Compartilho com os demais pais, um belo presente literário que recebi hoje da minha filha Natália (12 anos).

Papai.

Uma pessoa extremamente ESPECIAL !

Quero te dizer no teu dia ...

Que você é meu guia eterno,
O caminho mais certo,
Exemplo de bondade, sempre com honestidade.
Disposto a ajudar aquele que precisar.

Tens o dom de consolar, me ensina a amar e também a perdoar,
Grande homem nos torna para sempre criança, nos dando carinho, afeto e esperança.
Agradeço pela sorte que tenho, por ter você ao meu lado,
Você falou e acreditou, me ensinou que a fé remove qualquer pedra no caminho, me ensinando que ninguém esta sozinho.

Você meu pai, meu grande amigo, que ensinou a perdoar meus inimigos .
Se sou elogiada, me sinto lisonjeada, pois, se sou o que sou não é nada mais que seu espelho, como algo refletindo na água, fruto da minha formação e da educação que me mostrou e me ensinou.

Pai, palavra tão pequena a deste nome bendito, como no céu, nela cabe o infinito, nem nada e nem ninguém vai mudar o que eu sinto por você, não poderia ter um pai melhor que você nem em outra vida, pois, o que importa é o presente, não o passado e o futuro que nos espera.

Em minhas atitudes meu manual é você, pois, te considero um exemplo nato, com caráter decisivo. Nunca terei vergonha de ti, muito pelo contrario só tenho orgulho pela pessoa que és, ninguém me contou, não li e sim pelo que vi e vejo, o exemplo de ser humano que tu és.

Eu te amo,
E sempre vou te amar.

Da filha mais orgulhosa que existe,

Natália Dreher Medina.

Obrigado pai, por estares na minha vida!

Uma avalanche de denúncias






ONDE IREMOS PARAR?

sábado, 8 de agosto de 2009

Revista Época divulga áudios de conversa entre Lair e Marcelo

Nova edição de Época traz reportagem sobre os fatos políticos desencadeados após a denúncia apresentada pelo MPF contra agentes políticos do RS, esta semana.

REPORTAGEM ÉPOCA

Leitores de Época estabelecem acalorado debate sobre o assunto.

DEBATE DOS LEITORES

"Botei meus legumes na sopa também".
Postei meu comentário lá, às 15 horas, transcrito abaixo:

Banho de educação todos os dias

A melhor maneira de enfrentarmos o atual cenário de escândalos políticos, desenhados no RS é tomando um banho de educação e informação, todos os dias. Fui assistente militar no Governo Germano Rigotto (2003/2006). Tive muitas lições de cidadania, no exercício deste cargo de confiança. Destacarei duas.

Tomei um banho de educação ao ser designado para acompanhar o embaixador da Finlândia, Hannu Uussi Videnoja, em 2004. Em audiência com o presidente do Tribunal de Justiça do RS, o desembargador pergunta ao embaixador, em dado momento da conversa, qual o "segredo" que a Finlândia adotou para ser um dos países com menor corrupção no mundo. O embaixador, simpático e sorridente, responde: "- Faz 70 anos que a Finlândia dedica grande parte de seu orçamento para educação, independente do governo que está no poder".

Outra lição foi acompanhando o embaixador da Coréia do Sul, Kwang-Dong Kim, em 2006. A audiência era na FIERGS. Um empresário gaúcho perguntou ao embaixador qual o "segredo" do crescimento econômico "acelerado" da Coréia do Sul. O embaixador, simpático e sorridente, respondeu: " - Coréia do Sul tem investido maior orçamento em educação faz 30 anos, independente de governo".

Meus irmãos de todo o Brasil, só tem um jeito de não passarmos mais o que, lamentavelmente, estamos vivendo no RS: investir nosso maior orçamento em educação. Se deu certo para a Finlândia, Coréia do Sul e tantos outros países que adotaram esta fórmula, tem que dar certo aqui também.

sexta-feira, 7 de agosto de 2009

O dia seguinte







Acordei cedo para comprar os jornais do dia seguinte ao novo "abalo sísmico" político ocorrido no RS.

Cheguei na banca de revistas da Estação Mathias Velho do Trensurb, em Canoas e pedi a Zero Hora. Eram 8 da manhã.

O dono da banca respondeu: - "A Zero Hora já acabou". Como já acabou? Perguntei. - "Acabou". Foi a resposta direta do proprietário da antiga banca. Puxa! O pessoal está mesmo interessado no escândalo político. Sentenciei. - "Não. Acabou por causa do futebol". Como? Por causa do futebol. Perguntei. Incrédulo, com a resposta. - "Quando o Grêmio ou o Inter se saem bem, nos campeonatos que disputam, o jornal acaba cedo".

Só não me belisquei porque tinha certeza de que estava bem acordado e tinha meus ouvidos bem limpos. Comprei o Correio do Povo e o Sul que ainda restavam. Saí pensativo.

Fui para a próxima banca. Na praça Pio X, duas quadras adiante de onde eu estava. Ainda restavam duas Zero Hora. Peguei logo, indelicado, antes mesmo de cumprimentar o Fúlvio, dono da banca que me estendia a mão. Enquanto o cumprimentava, meus olhos encontraram o Diário de Canoas. A manchete cravou em minha mente. Comprei também um exemplar.

Paguei o Fúlvio com uma nota de 5 reais, enquanto ele falava da "barbaridade" na política gaúcha. Outro leitor chega. Funcionário da OCV Ferragem que fica quase na frente da banca. - "E aí Medina. Tudo bem? O que tá achando disso tudo que tá aí no jornal"? Pergunta o rapaz já pedindo mais dois jornais ao Fúlvio. Respondo que provavelmente esteja sentindo o que ele está sentindo também com relação a tudo que estamos lendo nos jornais... Concluo dizendo que passo depois ali, na ferragem, para um dedo de proza com o Oriovaldo, dono do estabelecimento.

Atravesso a rua. Entro na ferragem quase vazia naquela hora, entre oito e nove horas e o Oriovaldo, hospitaleiro e sorridente, como de hábito, me estende a mão, já oferecendo um chimarrão. Aperto firme a sua mão e já me grudo a cuia. Uma delícia de mate, apesar da bomba não estar bem assentada. O gaúcho tem que sugar o amargo com mais força. Tempo nublado e frio. A água quente desce bem na garganta. Converso animado com o Oriovaldo, tranquilo, ainda tenho uns dias de férias, em gozo na BM. Como é bom estar de férias, principalmente nessas horas. Dá para se dedicar ao estudo da matéria.

De volta em casa, aciono o portão que se abre e a cachorrada já vem balançando o rabo. A Isis, filhote de dois meses, filha da Luna, vem bem faceirinha pulando em mim. Entro na cozinha. Meu cunhado, passa um café que perfuma o ar. Termina de sintonizar a Bandnews, no programa do Diego e do Felipe e, me estende a mão. - "Bom dia! Compadre". Bom dia! Miguel.

O Diego Casagrande está falando com o Felipe Vieira sobre os últimos "causos" de Brasília. Sarney, Renan Calheiros, Tasso Jereissati e companhia limitada. Depois dão uma palhinha sobre o RS. Defendem os âncoras da Band que o segredo de justiça na ação pública dos promotores do MPF contra os denunciados no processo em tela, deve ser quebrado. O Diego anuncia que vai consultar os torpedos. Em seguida, se surpreende (eu também, de novo) quando diz: - "Felipe. A maioria dos torpedos aqui é sobre futebol." Então vamos falar do futebol, Diego. Diz o Felipe descontraidamente.

Leio os jornais. Gosto do cheiro do papel. Palavras da Rosane de Oliveira, sob o título Assim é fácil assinar CPI (transcrevo da página 14 de ZH de hoje) me chamaram a atenção:

"Os deputados que subscreveram o requerimento de criação da CPI agora, depois de obtidas as 19 assinaturas necessárias à instalação, agiram mais por instinto de sobrevivência do que por convicção. Para efeito de discurso, querem a verdade. Na prática, pegaram carona, em um fato consumado".


Ao meio dia, ouço e vejo o Lasier Martins, no Jornal do Almoço defendendo, com veemência, a quebra do segredo de justiça no processo das 1.238 páginas pela juíza de Santa Maria, Simone Fortes. O Lasier questiona: - "Por que a ilustre juíza insiste em guardar segredo"? Teme o grande jornalista que o processo se arraste por anos, sem que a sociedade gaúcha conheça o teor das acusações que pesam sobre aqueles que foram denunciados.

Alinho-me com o Diego, o Felipe, o Lasier, o presidente da OAB, Claudio Lamachia e tantos outros gaúchos e gaúchas, para que a juiza Simone Fortes, da 3ª Vara da Justiça Federal, em Santa Maria, quebre o segredo de justiça nos autos do processo da Ação Civil Pública de Improbidade Administrativa movida pelo MPF contra os agentes públicos do RS mencionados pelos promotores, embora tenha um pressentimento de que a doutora Simone, poderá não abrir mão do sigilo neste processo, a despeito de todo o clamor público para sua abertura. Espero estar enganado.

Clique aqui para notícia: OAB pede quebra de SIGILO

Apreciei ouvir o advogado Claudio Lamachia esclarecer, em entrevista na RBS TV, que o segredo de justiça se aplica para preservar a identidade das pessoas envolvidas em determinados casos e, para não prejudicar a coleta de provas, o que em tese não se aplica mais no caso em questão. Concordo!

quinta-feira, 6 de agosto de 2009

Destaques no dia de hoje



Charge:
Diário Gaúcho, página dois.







Patrocinador:

Novo
SABÃO LEGAL

Lava qualquer sujeira.





Frases em alta no dia -

1º lugar:
Não sei de nada;

2º lugar:
Não sei do que estão falando;

3º lugar:
Fala com o meu advogado.

RS qual é o teu negócio?








Dedicatória ao deputado Justo Veríssimo


B r a s i l

Composição: Cazuza, Nilo Roméro e George Israel.

Não me convidaram
Pra esta festa pobre
Que os homens armaram
Pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada
Antes de eu nascer...

Não me ofereceram
Nem um cigarro
Fiquei na porta
Estacionando os carros
Não me elegeram
Chefe de nada
O meu cartão de crédito
É uma navalha...

Brasil!
Mostra tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil!
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim...

Não me convidaram
Pra essa festa pobre
Que os homens armaram
Pra me convencer
A pagar sem ver
Toda essa droga
Que já vem malhada
Antes de eu nascer...

Não me sortearam
A garota do Fantástico
Não me subornaram
Será que é o meu fim?
Ver TV a cores
Na taba de um índio
Programada
Prá só dizer "sim, sim"

Brasil!
Mostra a tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil!
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim...

Grande pátria
Desimportante
Em nenhum instante
Eu vou te trair
Não, não vou te trair...

Brasil!
Mostra a tua cara
Quero ver quem paga
Pra gente ficar assim
Brasil!
Qual é o teu negócio?
O nome do teu sócio?
Confia em mim...
Confia em mim

Brasil!!





Consenso no Grupo:
Bendita imprensa!

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Diploma de Reconhecimento




Lembrei de um artigo escrito pelo coronel Hélio Moro Mariante (1915 - 2005) sobre o Exército Brasileiro. O coronel Mariante foi um de nossos maiores historiadores no Estado do RS. Há consenso entre seus pares sobre sua grande produção histórica e literária. O artigo a que me refiro publicamos na Revista Hyloea do Colégio Militar de Porto Alegre, em 1995. A leitura do Exército feita por Mariante é de uma lucidez solar. Abrangente, original e objetiva. Na verdade, dispensa comentários. É também uma sublime lembrança de um amigo de saudosa memória.

Ainda em vida, o coronel Mariante foi homenageado pela Academia de História Militar Terrestre do Brasil, presidida pelo coronel Claudio Moreira Bento, seu fundador. A AHIMTB destinou uma de suas cadeiras especiais à Brigada Militar. Batizou-a com o nome do coronel Mariante. Por absoluta generosidade do coronel Bento, deu-me posse desse acento que ocupo ciente de que lhe devo mais assiduidade nas atividades da nobre Academia de História Militar.

Aos interessados em conhecer melhor as funções de nosso Exército, além de manter nossa soberania nacional e integridade de nosso valioso território, recomendo a leitura do artigo de Hélio Moro Mariante.

Um fraterno abraço a todos, Aroldo.

segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Forças Armadas





De tempos em tempos, surgem questionamentos ou mesmo críticas ao papel das Forças Armadas Brasileiras. Nestas ocasiões, costumo lembrar da função de um seguro de vida. Começo perguntando se a pessoa tem seguro de vida. Normalmente, a pessoa responde que tem. Pergunto então se ela paga o seguro. A resposta é um claro que sim. Ora! Continuo o questionamento perguntando a pessoa, se ela quer usar o seguro. Costumo ouvir um claro que não. Aí pergunto, mas então porque a pessoa paga uma coisa que não quer usar. A resposta que mais ouço então é o silêncio. Completo a reflexão comparando o papel de nossas F.A., a um seguro de vida da nação brasileira. Finalizo lembrando de uma máxima que ouvi de um oficial do Exército: "99% das nações têm um exército próprio ou de outro país, guardando seu território e suas riquezas".

Na primeira foto, estou com o estimado amigo, coronel de cavalaria José Eurico de Andrade Neves Pinto, então comandante do Colégio Militar de Porto Alegre, ao lado do igualmente estimado irmão, major de engenharia Antonio Claudio Belém de Oliveira, relações públicas do CMPA, na ocasião. Era aniversário do Museu da Brigada Militar, 14 de outubro de 1996.

Na outra foto, recebo a insígnia de Colaborador Emérito do Exército, na sede do 18º BIMtz quando era ao lado da PUC-RS, em Porto Alegre, no dia 25 de agosto de 1994. O nobre general-de-exército Délio de Assis Monteiro me agraciou com a insígnia, em função de ter sido, ao lado do major Belém, um dos fundadores, como 1º tenente da BM, do atual Correio Militar do Sul, jornal de divulgação das atividades do CMS (Comando Militar do Sul).

Excelentes lembranças de fraternidade, com os irmãos de nossa digna Força Terrestre. Aroldo.

Senado Brasileiro em Tela 2009

video

É sempre curioso visitar uma Bienal. As obras expostas costumam mexer com nossas convenções e até mesmo convicções. A propaganda que se utiliza para divulgar a arte da inteligência humana, não foge a esta regra. O vídeo em pauta é exemplo dessa assertiva. Serve ao propósito de conscientização política. Serve de farol para pensar e escolhermos bem na hora de votar.