sábado, 25 de maio de 2013

Segurança



O episódio da visita indesejada de hoje a tarde, em casa, quando possíveis bandidos pensaram em invadir o território onde mora minha família, levou-me a escrutinar a memória, em busca de "pistas".

Lembrei que esta semana contratei um empreiteiro para fazer micro estacas aqui em casa. Foi na quarta-feira, dia 22/05. Como de praxe, embora fosse indicado, identifiquei todos que ingressaram em minha casa. Peguei a agenda, conferi os nomes e resolvi consultar um dos serventes da obra, cuja conduta em meu pátio (prestava tanto atenção na residência e seu movimento quanto na obra que fazia), chamou minha atenção.

Acessei o Consultas Integradas e, bingo. O sujeito tinha antecedentes criminais por porte ilegal de arma e furto qualificado. Diante da "descoberta" não hesitei em registrar a ocorrência (12940/2013). Fui direto, na nova e bem estruturada Central da Polícia Civil de Canoas, onde fui super bem atendido por uma jovem policial, recentemente formada.

Retornando para casa, já noite, me deparo com dois suspeitos, encapuzados, nas proximidades da minha residência. Estacionei a camioneta e liguei para o 190 da Brigada. Identifiquei-me e informei que abordaria dois indivíduos, fornecendo o endereço da abordagem (rua Ceará, 539), pedindo apoio. A BM chegou rápido, encontrando-me com os dois suspeitos rendidos. Ambos sem documentos. Um deles, interrogado, admitiu ser ex-traficante, "exportado" do Paraná.

Consigno meu reconhecimento sincero ao trabalho abnegado dos meus colegas brigadianos que, prontamente, responderam ao meu chamado: o sargento Smolinski e o soldado Moraes (viatura 6914) e os soldados Jonatas e Lorenzato (viatura 6289). Perfilo-me e lhes presto honrada continência militar. Deus esteja sempre com eles e com todos nós, nos ungindo com proteção, saúde e paz. 

Major Aroldo Medina

Nota: pretendo chamar o empreiteiro e a pessoa que me indicou seus serviços, para uma conversa sobre este episódio.



Nenhum comentário:

Postar um comentário