segunda-feira, 20 de março de 2017

Polícia Federal: Operação Carne Fraca.

A Polícia Federal Brasileira desencadeou, na sexta-feira (17/03/17), a "Operação Carne Fraca" que também poderia ter sido batizada como Operação Carne Podre, após constatar o comércio de produtos alimentícios deteriorados e adulterados com produtos químicos que mascaravam a deterioração. A investigação da polícia durou dois anos e culminou com a prisão de funcionários públicos que deveriam fiscalizar a qualidade dos alimentos, mas eram subornados por empresários do setor que pagavam pela revalidação dos produtos impróprios para o consumo humano.

Lendo as repercussões sobre o problema, passamos a ver desde as charges de bom humor satirizando a questão, principalmente nas redes sociais, até manifestações de critica velada a ação da Polícia Federal. É vergonhoso para a nação Brasileira, qualquer tipo de cesura, disfarçada de análise aludindo que a Polícia Federal não deveria ter tornado público o problema de adulteração de produtos brasileiros a base de carne, para não prejudicar o comércio interno e externo da mercadoria que é uma ameaça grave a saúde dos seus consumidores.

É vergonhosa a postura de governantes que correm agora para tapar o sol com a peneira e de presidentes de sindicatos da carne darem entrevistas minimizando o problema da proteína animal ser "enriquecida" com papelão, salmonela, cabeça de porco moído e sabe-se lá que outras porcarias metiam nos embutidos, uma vez que grandes empresas como Sadia, Perdição, Seara e Friboi, permitiam a adulteração dos seus produtos. Dizer que a adulteração é um caso isolado, não passa de uma mentira deslavada, pois, pode-se acreditar que um dirigente de grande sindicato ou presidente dessas empresas, não sabiam do esquema? Creio que não.

Por analogia, não se pode acreditar que a Presidência da República não sabia de nada no esquema do mensalão e muito menos do Petrolão que quebrou a Petrobrás. Não se pode acreditar que os presidentes e dirigentes das grandes empreiteiras que subornavam Governos e funcionários públicos para ganhar as licitações de obras superfaturadas, não sabiam de nada e, só abriram o bico porque começaram a ser presos e foram desmascarados nas delações premiadas.

E agora querem botar a culpa na Polícia Federal, no Ministério Público, no Judiciário, a quebra da balança comercial da venda da carne brasileira para o exterior, os contratos que indefectivelmente serão anulados, o desemprego de alguns milhares de trabalhadores que é bem provável vão perder o seu emprego na Sadia, na Perdição, na Friboi, na Seara? Hipócritas.

Os únicos responsáveis por todas consequências nefastas da operação carne podre são aqueles que permitiram a adulteração dos seus produtos, colocando a saúde dos consumidores em risco e tantos que adoeceram comendo carne podre processada com porcarias e maquiagem química, com agravante de serem anunciadas com pompas, em propagandas enganosas, utilizando ícones da TV brasileira.

Aroldo Medina

Polícia Federal do Brasil: nota 10 para o seu trabalho.



Nenhum comentário:

Postar um comentário