quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Quo vadis Brasil

A expressão latina "Quo vadis?" (Para onde vais?) tem sentido ciclópico no dia de hoje e, torna viva, mais uma vez, a letra do visionário Cazuza: "Brasil! Mostra tua cara. Quero ver quem paga. Pra gente ficar assim. Brasil! Qual é o teu negócio? O nome do teu sócio? Confia em mim, confia em mim..."

O Brasil chega numa grande encruzilhada da sua história, neste momento em que a nação brasileira acompanha o voto, nos próximos minutos, do ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal. Na ponta dos seus dedos, o fio que segura a "espada de Dâmocles". Na pauta, o julgamento do mensalão que todos conhecem.

O gesto do ministro (na foto) pode ser um "Óh! para o Brasil" ou mesmo um "zero" para os mensaleiros, mantendo o julgamento que condena os réus e, finalmente, pode simbolizar que tudo voltará a "estaca zero", se aceitar os embargos que lembrarão Nero colocando fogo em Roma, mas quem incendiará, provavelmente, é o Brasil.

Se tudo degringolar no dia de hoje, depois do choro e do ranger de dentes da nação brasileira, nos restará as eleições do ano que vem, onde poderemos fazer nas urnas, a maior reforma política da história do Brasil, votando consciente, em uma nova classe política, identificando candidatos com valores semelhantes ao caráter do nobre brasileiro Joaquim Barbosa.

Deus nos ilumine hoje e, principalmente, ilumine a consciência do povo brasileiro, amanhã e, nos dias seguintes! "Alea jacta est!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário