quinta-feira, 20 de março de 2014

Separação do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar.

Separação do Corpo de Bombeiros da Brigada Militar. O assunto requer uma postagem um pouco mais longa. Perdoem-me.

Fiz um exercício de redação, na disciplina de Correspondência Militar, com meus alunos-sargentos da turma do CTSP (Curso Técnico de Segurança Pública), em São Leopoldo, no 2º CRB, na tarde desta quinta-feira. O tema proposto: a separação do Corpo de Bombeiros da BM, quem era contra ou a favor e, por quê?

A turma é constituída por 27 alunos de várias regiões do RS. 23 foram a favor da separação, 3 contra e, um se absteve de tomar posição.

Pela separação predominou a opinião de que a desvinculação da BM irá possibilitar orçamento independente. Com recursos próprios creem os bombeiros que poderão ser melhor equipados, ter aumento de efetivo e quadro técnico, com perfil intelectual mais específico a sua missão. Quem se posicionou contra receia que poderão ter direitos adquiridos ameaçados no futuro e, até mesmo ter o poder de polícia, questionado.

O encaminhamento do PEC (Projeto de Emenda Constitucional) número 232  feito ontem pelo Governo do Estado à Assembléia Legislativa do RS, criando a separação do Corpo de Bombeiros da BM é, ao meu ver, incendiário e eleitoreiro.

O governo teve todo o tempo do mandato para tratar do assunto, com a responsabilidade que o seu tramite requer: sem atropelos. Resolveu apresentar o projeto agora, justo em ano eleitoral e, "ignorando" a existência do PEC 229 que trata do mesmo assunto e que foi bem estudado e amplamente debatido, na própria Assembléia Legislativa do RS e, entre entidades representativas da classe. Então me diz se não é para incendiar?

E, se não for para atear fogo no negócio, então deve ser para faturar politicamente, pois, se os deputados estaduais de duas grandes bancadas que tem condições de governar o Estado e que tem candidatos capazes de vencer Tarso Genro, PMDB (José Ivo Sartori) e PP (Ana Amélia Lemos), rejeitarem a separação, vão sofrer o ônus eleitoral por terem "empatado" a vida da ampla maioria dos membros do Corpo de Bombeiros da BM que quer a separação e que tem a simpatia e credibilidade da população como verdadeiros heróis. E, aprovando a separação, PMDB e PP, permitirão que Tarso diga, em sua campanha que ele separou o Corpo de Bombeiros da BM.

Se eu fosse deputado, votaria pela separação. Seja respeitada e feita a vontade da ampla maioria dos bombeiros militares do Estado do RS, sem transformar o assunto, em manobra eleitoreira barata.

Major Aroldo Medina

Referenciais teóricos:
Aniversário do Corpo de Bombeiros, autonomia administrativa.

Governador Tarso Genro fala sobre a separação dos bombeiros da BM.

Nenhum comentário:

Postar um comentário