terça-feira, 9 de março de 2010

Livros didáticos escolares pela "hora da morte".


Sou defensor incondicional de que o Brasil tem conserto pela educação. A violência urbana e rural, ao lado da corrupção política contumaz em nosso país, são fatos diários que roubam nossa paz e qualidade de vida.

Já escrevi neste mesmo espaço que a educação no Brasil deverá ter um dia nosso maior orçamento público no município, no Estado e na União.

Um aspecto digno de nota nesse cenário é o preço abusivo dos livros didáticos adotados pelas escolas particulares que os pais são obrigados a adquirir no início de cada ano letivo.

Quase tive um infarto quando fui comprar os livros da minha filha, neste final de semana que passou. A Natália cursa a oitava série, numa escola particular, em Canoas. Apenas sete livros eram vendidos pelo preço de R$ 562,00 (quinhentos e sessenta e dois reais). Uma média de R$ 80,00 (oitenta reais) por livro.

O internauta sabe que bons livros para leitura saem por muito menos. Com tiragens elevadas, os livros didáticos em pauta, por mais elaborada, ilustrada e colorida que seja a produção editorial e gráfica, não custa mais do que R$ 20,00 (vinte reais). Por que então toda essa ganância, na cadeia de comércio dos livros didáticos brasileiros? Só vejo uma resposta: ga-nân-cia!

Lamento que num país como o nosso, ainda haja tanto atraso na compreensão de que livros, cadernos, material escolar em geral, sejam objeto de tanta exploração comercial. Pobre Brasil que obriga os pais a tantos sacrifícios para dar aos seus filhos, educação e estudo, bens tão ricos, em condições tão adversas.

Aroldo Medina.

Nenhum comentário:

Postar um comentário