quarta-feira, 7 de março de 2012

Promoções de Oficiais da BM: mudança de critérios.


Tenho sido ético (continuarei sendo) e comedido na postura com o governador Tarso Genro, desde a campanha eleitoral de 2010.

Não foram poucas as pressões que suportei para ser mais contundente nas posições com o PT, como fui em 2002. Houve até quem me apontasse o dedo e dissesse que eu estava alinhado com o Partido dos Trabalhadores, partido que tem meu respeito e consideração. Não faltaram "posts" na Internet, uns até agressivos dizendo que eu e Tarso estávamos "jogando juntos", nos debates de TV.

A oposição que fiz a governadora Yeda Crusius foi motivada pelos incontáveis escândalos que vivenciamos no Governo dela. Não é preciso enumerá-los. É página virada. Creio ter sido uma variável na equação da sua derrota, como muitos disseram que fui no último debate de TV da RBS, beneficiando o candidato Tarso Genro, influenciando o voto dos indecisos.

Como qualquer cidadão consciente e participativo do processo de crescimento do Estado do RS, não meço esforços para dar minha modesta contribuição, visando melhorar a qualidade de vida dos gaúchos. Creio que minha maior contribuição, herança de pai, mãe e avós, é sempre trabalhar com honestidade.

Esta reflexão é motivada pela aprovação, ontem, na Assembléia Legislativa do Estado do RS, da nova lei que modifica os critérios de promoção dos oficiais de nível superior da Brigada Militar, onde critérios subjetivos passaram a ter muito maior peso do que critérios objetivos. O jornal Zero Hora de hoje, páginas 8 e 10, publica matérias bem fundamentadas sobre a questão.

O leitor deve estar se perguntando qual é a relação entre a abertura desta postagem e a aprovação da nova lei? Explico.

Dia destes, numa reunião estadual do PRP (Partido Republicano Progressista), no salão Ana Terra da Câmara Municipal de Porto Alegre, muitos líderes presentes, defenderam com veemência, minha candidatura ao governo do Estado, em 2014. Eu disse que era cedo para falar no assunto e que em 2014 preferia concorrer a deputado estadual ou mesmo federal. Agradeci a deferência e sugeri que concentrássemos esforços na campanha municipal de 2012.


Numa reunião seguinte do PRP definimos que o coronel Sérgio Sparta será nosso candidato à prefeito de Porto Alegre, nas eleições desse ano.

Igualmente, lideranças respeitáveis do PMDB, PP e PV gaúchos tem conversado comigo, propondo meu ingresso nas suas organizações políticas. Uma honra ser lembrado, com deferência, por próceres líderes desses partidos.

Uma candidatura a governador é uma excelente oportunidade de conversar com o povo gaúcho, principalmente nos debates de TV, questões de relevância para o desenvolvimento do Estado, apresentando soluções para os principais problemas. A mudança de critérios na promoção de oficiais da BM, nos moldes que foi feita é um tema relevante na área de segurança pública, para ser debatido com ética, sem comedimento e a urgência que foi aprovada na Assembléia.

Assim, antecipo, neste espaço, minha disposição de aceitar o convite para concorrer novamente a governador do Estado do RS, em 2014, pelo PRP que estará mais forte. Em 2010 o partido estava minimamente organizado em Porto Alegre. Hoje ele espraia-se por 15 municípios do RS e, nas últimas eleições elegeu dois deputados federais, fator que assegura nossa participação nos debates de TV, de forma independente.


Por fim, peço a generosa compreensão dos gaúchos, pela nossa pretensão em participar do pleito eleitoral em 2014, concorrendo pela terceira vez, a tão elevado cargo de honra e maior responsabilidade.

Enquanto assistimos, lamentavelmente, alguns brigadianos protestando queimando pneus e obstruindo ruas e estradas, em 2011, creio ser bem mais democrático e útil para a sociedade participarmos do processo democrático, concorrendo nas eleições majoritárias.

Aroldo Medina

3 comentários:

  1. Apoio a posição do major Medina. Sua participação independente e corajosa na sucessão do governo do RS, permite ao eleitor uma boa reflexão sobre muitos pontos que passariam desapercebidos do povo gaúcho, especialmente na delicada área da segurança pública.

    Bom seria elegermos ele deputado estadual. Certamente seu trabalho orgulharia seus eleitores e surpreenderia seus opositores.

    Mas, na atual conjuntura de constantes promessas descumpridas e desacertos políticos, natural compreender que concorrendo a governador, passa a ter um protagonismo muito maior, na sucessão governamental.

    E, por insistência, como a própria história registra a eleição de homens persistentes, num futuro não muito distante, possa ser eleito para governar o RS. Qualidades tem de sobra.

    Marco Ariel Nunes Gonçalves

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nobre tenente Ariel, o senhor é generoso com as palavras. Aumentam minha responsabilidade política. Saberei honrar sua deferência, própria de um homem de caráter robusto e, de todos gaúchos que confiam em meu trabalho. Cordial abraço, major Medina.

      Excluir
    2. Maj Medina
      Também podes contar com meu apoio para a missão que o partido lhe atribuir!
      Acredito que sua candidatura ao Governo do Estado, e as importantes participações nos debates, serviram para dar uma maior visibilidade à Segurança Pública e a melhoria da segurança dos gaúchos, pelo menos figurasse nas propostas dos candidatos.
      Infelizmente, a maioria das promessas foram esquecidas pelos eleitos, haja vista que ainda não há um representante da segurança no Parlamento Gaúcho para lembrá-los.
      A defesa dessa bandeira, incluindo os policiais e seus familiares, é uma necessidade urgente.
      Entendo que você tem o perfil, o conhecimento e a legitimidade para desempenhar esse papel de nos representar na Assembleia Legislativa!
      Abraço,
      Ilson Krigger

      Excluir