quinta-feira, 30 de julho de 2009

A Brigada Militar pode fazer muito mais




"Ao ingressar na Brigada Militar do Estado do RS, prometo regular minha conduta pelos preceitos da moral, dedicar-me inteiramente ao serviço policial militar, a manutenção da ordem pública e a segurança da comunidade, mesmo com o sacrifício da própria vida".

Fiz este juramento em 21 de abril de 1986, quando recebi o Espadim Tiradentes, em solenidade na Academia de Polícia Militar, em Porto Alegre.

Passaram-se quase 25 anos do meu ingresso na BM, desde então. Eu e tantos outros colegas brigadianos que, igualmente, fizeram este juramento, permanecemos fiéis a estas palavras. Entre aqueles que honraram a palavra, muitos já partiram para outra dimensão de vida.

Sinto orgulho de ser policial militar. A carreira me realizou pessoal, espiritual e profissionalmente. Aprendi muito na lida diária com meus irmãos da Brigada. Perdi a conta de quantas pessoas socorremos juntos. De quantos agentes do crime enfrentamos com abnegação e coragem que imantou meu corpo, emanada dos policiais que tive a honra de comandar, defendendo a vida e o patrimônio de milhares de gaúchos.

Olho meus irmãos brigadianos, aqueles do bem, policiais militares de caráter elevado, a grande maioria e sinto que são heróis em sua faina diária. Tem o menor salário de polícia no Brasil e ainda assim permanecem firmes no combate a criminalidade.

Poucos tem moradia digna. A maioria vive em condições humilde, como o valoroso povo brasileiro. Completam sua renda familiar trabalhando mais uma jornada de horas fora da BM, arriscando a vida fazendo, na maior parte das vezes, segurança privada, em fármácias, mercadinhos, postos de gasolina e outros estabelecimentos comerciais.

Meus irmãos da BM estão endividados. Recorrem a empréstimos para manter as contas em dia. O Banrisul é nosso maior credor. Um contingente enorme de brigadianos paga ao banco dos gaúchos, não raras vezes, mais da metade do salário, todos os meses, convertendo-se em segura fonte de lucro. Felizmente existe o Banrisul para nos socorrer e endividar. Não fosse o banco, estaríamos nas mãos de agiotas o que seria muito pior. Os gerentes do Banrisul nos socorrem tanto quanto socorrem o restante do funcionalismo do Estado que busca remédio no banco que nos ampara.

Poderia ser diferente. Uma melhor gestão do Estado, certamente, resultaria em melhor desempenho econômico que poderia ser aplicado na valorização do seu funcionalismo. Esta lógica convertida em melhor qualidade de serviços públicos a população.

Creio que povo brasileiro faz a sua parte. Pagamos nossos impostos. A carga tributária do país na esfera municipal, estadual e federal, permite ao Estado a arrecadação de generosas quantias. Nada mais justo do que toda esta riqueza gerada pelo trabalhador brasileiro ser aplicada em benefício coletivo, sem maracutaias.

Não podemos continuar ignorando a política e muito menos os políticos que regem nossos destinos por quatro anos, a cada nova eleição ocorrida no Brasil. Conhecer a vida e o caráter do candidato que mais se encaixa em nossas expectativas são passos decisivos para termos uma vida melhor.

Montando esse quebra cabeça todo, creio que a própria Brigada pode fazer muito mais na defesa da sociedade, contra os bandidos que hoje progridem em todo o Brasil. Políticas de Estado permanentes, voltadas para a área de segurança pública e seus integrantes, independente de governo, assim como vale para a educação no Brasil, é o primeiro passo para vencermos essa guerra declarada pelos agentes do crime contra todos nós.

Outro fator que pesa contra nós policiais é que também não conseguimos manter um representante eleito, oriundo de nossos quadros, de reconhecido saber e experiência policial, para falar de igual para igual entre deputados ou mesmo membros do Poder Executivo Estadual ou Federal. Alguém que tivesse o poder político de um mandato para conduzir com eficiência e eficácia, entre os políticos, a causa popular da segurança pública.

O tema é longo. Não quero cansar mais o leitor que chegou até aqui. Concluo dizendo que por mais difícil que possa parecer o enfrentamento da problemática delineada nas linhas acima, ainda confio na capacidade de entendimento das pessoas de alguns pontos aqui abordados e tenho, francamente, esperança de que possamos encontrar numa união de forças, sempre à luz da democracia, líderes que possam nos conduzir com segurança na solução dos problemas sociais de nosso país. Depois de um Bush também pode vir para nós um Obama!

É só prestar bem atenção nos candidatos que estão por vir. Tem muito enrolador que se vende bem, mas que não resiste a um olhar atencioso de nossa parte. Minha dica é: olho nos enganadores! Sinta o candidato. Olha bem na linguagem corporal dele. Compara com o "modus operandi" dos vilões das novelas. Dá para perceber similaridades na forma de se comunicarem. Não deixe de consultar o professor Google. Abençoado seja. Ele é fantástico! A imprensa livre é uma das maiores aliadas desse professor.

Experimenta antes de votar, colocar o nome do candidato na tela desse professor sabe tudo e usa umas palavrinhas do tipo: operação, Polícia Federal, denunciado, caixa dois, etc. Usa a criatividade! E vê no que vai dar. Não se surpreenda com o resultado! Por outro lado, pode também ter boas notícias. Aí são outros 500!

As fotos que ilustram esta postagem são das Patrulhas Táticas Especiais do antigo Batalhão de Polícia de Choque da BM, no final dos anos 90. Tive a honra de ter sido o primeiro comandante dessas patrulhas e de seus aguerridos policiais combatentes, como 1º tenente da BM. As PATRES foram criadas para dar apoio aos nobres PMs de todas as Unidades da BM que enfrentam, diariamente, os agentes do crime, em Porto Alegre.

Um abraço cordial, Aroldo.

2 comentários:

  1. Olá
    É um enorme prazer para mim poder falar o Major Aroldo Medina, apesar de não conhece-lo a muito tempo, tenho absoluta certeza do que vou afirmar
    sábio é quem consegue aprender com as lições da vida.Porém mais sábio é aquele que compartilha estas lições com os demais.Gosto da sua forma auto-critica sinal de a vida merece sempre ser aperfeiçada.Aprendi quando criança com o meu pai: o homem é o unico animal contemplativo, tal benesse o conduz, pela observação, a honra e o carater. E o Maj Medina é assim consegue observar a vida e o que nela há, sendo coisas boas e ruins, de disto fazer uma lição de vida, ajudando também quem está na sua volta a ver isto também. Agredito que não só pra mim mas para todos que lhe conhecem é um grande privilegio poder conviver com uma pessoa assim.
    Que Deus sempre lhe abençoe.
    Siméia Corrêa

    ResponderExcluir
  2. Siméia, somente agradecer tuas palavras é um gesto pequeno para expressar o sentimento de satisfação pessoal que elas traduzem em meu coração. Esforço-me, diariamente, para ser uma pessoa capaz de honrar meu pai, já em outra dimensão de vida e minha mãe, como nos ensina um dos Mandamentos da Lei de Deus.

    Confesso que às vezes, sucumbo diante de tantos desafios que a vida nos apresenta e não consigo conter a raiva diante de situações em que aflora a insensatez humana. Contenho-me, rezo e peço a Jesus proteção e forças para dominar minha própria ignorância frente a ignorância. Na expressiva maioria das vezes, domino meus impulsos animais e concilio-me com a razão.

    Foco em minha vida o bem como regra de conduta permanente e compartilho todas as experiências boas e ruins com aqueles que se dispõe a ouvir. Mais tenho apreendido do que ensinado.

    Em 98% das ocasiões de convivência, instrução e aprendizado com meus colegas de trabalho, como quando te conheci na sede da 3ª Companhia do 9º BPM, por ocasião de tua visita a Sueli, tive excelente impressão de ti e empatia com tua pessoa. Tua postura como soldado do 1º BPM, educação e visão política, demonstram uma cidadã exemplar.

    Obrigado por teu apoio Siméia. Soldados como tu além de tornar a BM melhor, são minha esperança de que possamos prestar um serviço policial militar à altura das expectativas que a comunidade deposita em nosso trabalho.

    Sucesso e boa sorte! Despeço-me com vigoroso aperto de mão, Aroldo.

    ResponderExcluir