quarta-feira, 22 de julho de 2009

Serviço Militar





Hoje estive no QG do V COMAR em Canoas. Fui à serviço da Brigada. Encontrei um colega de turma de 1983, ano em servi à Força Aérea Brasileira. O Ivan me trouxe boas lembranças do nosso tempo de recruta. Tempo bom. Hoje o QG do V COMAR não forma mais recrutas. Uma pena. A atribuição é exclusiva da Base Aérea. Até o recrutamento não é mais feito diretamente pela FAB. O jovem comparece numa Junta Militar, atualmente funcionando nas prefeituras e faz seu alistamento militar.

No meu tempo compareci direto no QG do V COMAR, onde queria servir. Fiz meu alistamento e me submeti ao processo de seleção. Paguei os pecados, pois, muitos queriam servir. A seleção era dura. Passávamos correndo para cima e para baixo. Pagando apoios. "Rolando e ralando" para a direita e para a esquerda. Rastejamos um montão. Ouvimos gritos dos sargentos instrutores para desistir. Alguns se foram. Outros ficaram. Passado o período de seleção médica e física, incorporamos. Finalmente! O recrutamento era feito de aulas de segurança de instalações vitais, moral e cívica, armamento e tiro, disciplina e respeito, patriotismo, muita faxina, ordem unida, marchas e treinamentos para o sete de setembro.

Tirávamos plantão no alojamento, no início e depois no corpo da guarda do quartel. A comida era super boa. Tinha até refrigerante, no almoço e na janta. Nos servíamos à vontade. Quando de serviço ganhávamos sempre um lanche. Normalmente, uma "merendinha" (lembram da merendinha?), um iogurte, frutas (maçã ou banana) e o famoso Chá, popularmente, serviço num panelão e chamado de "brochante"! Os sargentos da instrução eram exigentes e ao mesmo tempo camaradas. Exemplares na conduta. Gostava de todos. Lembro com saudade dos sargentos Peixoto, Baigorra, Bissolotti, Alcendino, Altamar, do cabo Clênio e do S1 Bergamim, entre outros. Militares de grande valor moral. O Brasil tem grandes soldados. Foram instrutores inexquecíveis. Meus jovens colegas de turma, cada um tinha o seu valor pessoal. Por onde andarão o Escobar, o Antunes, o Passos, o Augusto, o Armindo, o Oliveira, o Aurélio, o Milane, o Camargo, o Vitalino, o Bagatine e tantos outros. Queria poder voltar no tempo e viver tudo de novo.

Cheguei em casa e fui catar fotos do tempo de recrutamento para escanear e colocar aí, para meus amigos e amigas visitantes deste espaço.

O sargento Ivan trouxe todas estas boas lembranças. Ao nos despedirmos, apertei firme a mão do Ivan. Em seguida, ele se perfilou e prestou uma continência, caprichada e bem sincera, batendo firme com a palma da mão estendida, na coxa da sua perna direita. Foi tão espontâneo que me emocionou, contive-me. Retribui com a melhor continência que um major pode fazer a um sargento com coração de brigadeiro. O serviço militar é uma escola. Uma escola de cidadania e camaradagem! O Brasil têm nas Forças Armadas uma grande reserva de valores nacionais. Um abraço a todos, Aroldo.

As fotos. Na primeira, estamos à margem do rio dos Sinos, em Canoas, posando para a foto, após uma marcha de 10 quilômetros, em novembro de 1983. Todo mundo inteiro.

Na segunda foto, "coisas de recruta", em outubro de 1983, no pátio interno do QG do V COMAR, em Canoas, onde tem esse globo terrestre. Como todo jovem com ideais, a vontade de mudar o mundo ou quem sabe levá-lo nas costas! Tarefa difícil.

Nenhum comentário:

Postar um comentário