domingo, 20 de setembro de 2009

Caridade



Minha filha Natália me contou uma história muito interessante hoje. Na hora do almoço em casa, foram ouvidas palmas no portão. Meu cunhado vai atender e encontra um rapaz de uns 18 anos que lhe pede comida. O Miguel retorna e anuncia o pedido do visitante. Meu irmão Adroaldo se voluntaria para atender o pedido do visitante. Enquanto prepara um prato de comida diverge de minha mãe que defende a idéia de mandar o pedinte embora.

Vai até o portão e alcança ao jovem o prato servido e um copo de refrigerante. Os olhos do rapaz brilham com a carne vermelha assada, a salada amarela e o arroz branquinho. Pega a comida e come com gosto de muita fome. O Adroaldo volta para a mesa com a família. O jovem permanece sentado na calçada, em frente de casa.

Eu aparto a Natália e digo que o Adroaldo agiu corretamente. Censuro minha mãe. Minha filha continua a narrativa em detalhes. "Bom papai... Depois de um tempo o meu tio levou o espeto lá na frente e mandou o rapaz escolher um pedaço". O jovem disse que nunca ninguém havia lhe tratado até hoje, dessa maneira. Disse estar acostumado a ser tratado com desprezo. Com a voz embargada, emocionado, disse ao meu irmão que não tinha palavras para definir o que estava sentindo naquele momento. Concluiu afirmando que jamais esqueceria seu gesto de caridade.

Ao ouvir a história do Adroaldo, contada pela Natália e depois pelo próprio meu irmão, emocionado, confidenciou que se arrependia de todas as vezes que despachou as pessoas que bateram a porta de nossa casa pedindo alguma coisa.

Disse-lhe que compreendia seu sentimento. Ele expressou dúvida ao tentar imaginar que podia ter seus sentimentos compreendidos naquele instante por outra pessoa, mas lhe garanti que todo aquele que faz caridade, compreende o que sentiu. Uma energia poderosa muito grande, emanada do mundo espiritual que abastece nosso espírito de luz.

2 comentários:

  1. Não existe maneira mais grandiosa de ajudar uma pessoa do que fazendo o bem a ela. É preciso ter iniciativa própria para fazer isso. Não se basear no erro dos outros para tomar suas decisões. Se a ação que você irá fazer ao próximo fará o bem para e ele e para você, não pense duas vezes, vá e faça. A sensação é muito fortificante, muito positiva. É como uma missão cumprida. Dá um prazer enorme. Uma emoção que muitas vezes fica marcada para sempre em sua vida.

    Muitas vezes nos surpreendemos com as respostas das pessoas, pois, nos lembramos de ações passadas, sejam boas ou ruins. Percebemos que crescemos como pessoa, em valores morais e espirituais.

    Em nossa vida passamos por momentos bons e ruins, mas isso, eu garanto, tanto nos momentos de felicidade ou mesmo nos de tristeza tiramos lições dos acontecimentos. Aprendemos que as vezes acontecem coisas inesperadas em nossas vidas. Nessas ocasiões temos que sempre ver o lado bom. Lembrar que na vida nada acontece em vão. Que a cada dia podemos aprender coisas novas e procurar não repetir o mesmo erro outra vez.

    Não há idade, dia ou hora para você fazer o bem. Com um gesto simples, como dar um prato de comida para uma pessoa ou mesmo ajudar uma pessoa a atravessar a rua. Não é o que você é por dentro ou por fora, mas sim o que você faz é que o define.

    ResponderExcluir
  2. Ajuda ao próximo por todos os meios corretos ao teu alcance, mas, acima de tudo, ajuda ao companheiro de qualquer condição ou de qualquer procedência, a sentir-se positivamente nosso irmão, tão necessitado quanto nós da paciência e do socorro de DEUS. "Dá e dar-se-te-á - ensinou-nos o Cristo de Deus.

    ResponderExcluir